Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Leco anuncia Raí como membro da administração do São Paulo

Ex-jogador será um dos oito membros do Conselho de Administração do clube

Por Da redação 19 abr 2017, 11h39

Sem esconder o alívio após a vitória sobre o oposicionista José Eduardo Mesquita Pimenta nas eleições à presidência do São Paulo da noite desta terça-feira, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, afirmou que levará para perto de si um dos maiores ídolos da história do clube. “Vou ter um ex-jogador no meu Conselho de Administração. É o Raí“, disse, concluindo sua primeira entrevista coletiva deste segundo mandato.

Raí será um dos três membros independentes e remunerados do novo Conselho de Administração, que será composto por mais oito pessoas. Entre elas, o presidente e vice (Leco e Roberto Natel), os três integrantes do Conselho Deliberativo eleitos nesta noite – Júlio Casares, Silvio Médicis e Adilson Alves Martins -, e um membro eleito e indicado pelo Conselho Consultivo.

  • Questionado se já teria um nome para o cargo de diretor-executivo de futebol, vago desde a saída de Marco Aurélio Cunha no fim do ano passado, Leco despistou. “Já tenho, sim, a ideia bem formada, mas não poderia, antes de ganhar a eleição, iniciar qualquer tipo de processo. Eu era presidente, mas meu mandato terminou hoje e começa um novo. Só a partir dele que eu posso tratar”, afirmou. A divulgação do novo diretor-executivo, porém, deve sair só daqui a algumas semanas. “Eu terei uns dias para definir várias coisas e entre elas cargos e diretores-executivos. Acho que em menos de 15 dias não poderei completar tudo isso”, completou.

    Leco será o primeiro presidente do São Paulo a se dedicar exclusivamente às tarefas do clube e, por isso, será assalariado, conforme prevê o novo texto do Estatuto recém reformado. Entre as principais mudanças estatutárias, lideradas pelo mesmo Leco, ainda estão a obrigação da criação de uma diretoria profissional e remunerada e um Conselho de Administração, ao qual Raí foi integrado. Além disso, as eleições passarão a acontecer em dezembro, não mais em abril, e o futebol será separado do clube social.

    (com Gazeta Press)

    Continua após a publicidade
    Publicidade