Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Juiz mantém opinião sobre escândalo com Ronaldo após 20 anos

Disputa entre Ronaldo, da Inter, e Iuliano, da Juventus, entrou para a história do futebol italiano. Para o árbitro Piero Ceccarini, sua decisão foi correta

O futebol italiano coleciona diversos casos históricos de polêmicas de arbitragem e um dos mais recordados está perto de completar 20 anos: em 26 de abril de 1998, a Inter de Milão foi à Turim enfrentar a líder Juventus, numa espécie de final antecipada do Campeonato Italiano. A equipe milanesa estava um ponto atrás da rival na classificação, a quatro rodadas do fim, e tinha Ronaldo, o melhor jogador do mundo na época, em seu ataque. O brasileiro acabaria sendo o protagonista da partida, graças a uma decisão muito controversa do árbitro Piero Ceccarini – que, duas décadas depois, mantém sua opinião.

A Juventus vencia por 1 a 0 quando, aos 24 minutos do segundo tempo, Ronaldo invadiu a área, cortou para o meia e caiu após contato com o zagueiro Mark Iuliano. Os atletas da Inter, revoltados, pediram pênalti, mas Ceccarini mandou o jogo seguir e, na sequência da jogada, marcou um pênalti de Taribo West, da Inter, em Del Piero. O treinador da Inter Luigi Simone chegou a invadir o campo e foi expulso após insultar o árbitro.

O goleiro Gianluca Pagliuca ainda defendeu a cobrança de Del Piero, mas o “Dérbi da Itália”, que teve outros lances contestados, terminou com vitória da Juventus. No dia seguinte, o diário La Gazzetta Dello Sport estampou a manchete: “Inter grita: vergonha”. O caso, lembrado pelos interistas como o “maior roubo da história” virou assunto até no Parlamento italiano naquela semana, quando políticos trocaram agressões ao comentar a partida. A Juventus conquistaria o título com cinco pontos de vantagem sobre a Inter.

“Meu erro foi não marcar falta de Ronaldo”

Quase vinte anos depois, o ex-árbitro Piero Ceccarini concedeu entrevista à emissora italiana Premium Sport e manteve sua decisão. “Vi um contato físico causado por Ronaldo em Iuliano e não o contrário. E hoje, tanto tempo depois, confirmo que o que vi imediatamente em campo, foi a realidade dos fatos. E chego ao ponto de dizer que meu único erro foi não ter apitado falta de Ronaldo a favor da Juventus”, afirmou.

“Vejo Iuliano parado e Ronaldo, na minha opinião, é quem bate no adversário, tanto que Iuliano cai para trás”, continua o ex-árbitro, que busca encerrar o assunto. “Ser lembrado somente por isso não me deixa feliz, porque tenho toda uma vida por trás (…) Gostaria de colocar uma pedra sobre esse assunto, mas acho que não será possível. Para mim, não é uma interpretação verdadeira dizer que a Inter perdeu o título por essa jogada”.