Clique e assine a partir de 9,90/mês

Jogadores criticam Bonucci em caso de racismo; zagueiro se defende

Depois de dizer que colega Kean tinha '50% de culpa' pelas ofensas que recebeu, capitão da Juventus afirmou que condena todas as formas de preconceito

Por Da redação - Atualizado em 4 abr 2019, 14h05 - Publicado em 4 abr 2019, 11h56

O atacante Moise Kean, de 19 anos, foi vítima de racismo na última terça-feira, 2. Ao marcar um gol na vitória por 2 a 0 da Juventus sobre o Cagliari, fora de casa, pela 30ª rodada, o jogador italiano, filho de pais da Costa do Marfim, foi ofendido por torcedores do time adversário na comemoração. O caso ganhou ainda mais repercussão depois que o experiente zagueiro Leonardo, seu colega na Juventus e na seleção italiana, Bonucci disse que Kean teve “50% de culpa” pelo ocorrido, por ter encarado a torcida adversária ao marcar o gol. 

A atitude de Bonucci foi criticada por diversos jogadores ao redor da Europa. Um dos primeiros a se manifestarem foi Mario Balotelli, jogador da seleção italiana e atualmente jogando no futebol francês. “Diga a Bonucci que a sorte dele é que eu não estava lá. Em vez de te defender, ele faz isso? Estou chocado, juro. Te quero bem, irmão”, comentou o jogador na postagem no Instagram de Kean.

Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Outros jogadores negros também criticaram a atitude do zagueiro italiano. Kevin-Prince Boateng, atualmente no Barcelona, postou três emojis pedindo silêncio com a hashtag #Bonucci, e 50-50, em referência ao que foi dito pelo zagueiro.

Sterling, atacante do Manchester City, postou emojis de sorrisos e com a frase dita por Bonucci. “Tudo que se pode fazer nesse momento é rir”, ironizou Sterling.

Continua após a publicidade

Já o holandês Memphis Depay, atacante do Manchester United, lamentou a atitude do zagueiro, que também é capitão do clube, e mostrou seu apoio a Kean. “Estou desapontado com a sua reação, como capitão da Juventus. O garoto pode comemorar como quiser. Ele é fundamental para a equipe e joga com muito orgulho pelo seu país, a Itália. Ele deve ser respeitado por isso. Não vamos ficar quietos”, afirmou.

Yaya Touré, ex-jogador da Costa do Marfim, com passagens por Barcelona e futebol inglês, foi ainda mais crítico à postura de Bonucci. “Para mim sua atitude foi uma desgraça. Isso não pode ser feito”, disse o ex-volante. “É inaceitável, acho que é o pior cenário que pode acontecer no futebol. Um companheiro de time te atacando, dizendo coisas como essas. Não posso imaginar o quanto Kean ficou sentido quando viu aquilo”, disse Touré em conferência da UEFA.

O aposentado Lilian Thuram, ex-jogador da Juventus e campeão mundial com a França em 1998, é um ativista do combate ao racismo e criticou a atitude de Bonucci, mas também do árbitro da partida. “Isso é interessante. Ele basicamente disse o que muitas pessoas pensam, que as pessoas negras merecem o que acontece a elas. Isso evoca uma responsabilidade compartilhada em 50% entre torcedores e Kean. Quando você pensa a respeito, o próprio companheiro de time de Kean diz que ele merece os gritos de macaco e aos torcedores que eles podem continuar”, disse Thuram, no Líbano. “O árbitro parou o jogo? Alguma coisa foi feita? Estamos todos em completa hipocrisia. Isso tem acontecido há anos. Todo mundo diz que nós iremos parar o jogo na próxima vez e isso não acontece. As autoridades do futebol não se importam”, disse o francês, que tem uma fundação que luta pela educação contra o racismo.

Veja a tabela e classificação do Campeonato Italiano

Após as críticas, Bonucci se defendeu e publicou uma mensagem em suas redes sociais para explicar sua postura. “Depois de 24 horas, quero esclarecer o que eu disse. Eu falei aquilo no final do jogo e fui, obviamente, mal interpretado sobre o assunto ao responder e forma apressada. Horas e anos seriam insuficientes para falar sobre o assunto. Eu condeno todas as formas de racismo e discriminação. Certas atitudes são sempre injustificáveis e não pode haver mal-entendido sobre isso”, afirmou, na legenda de uma foto em que aparece com Kean na seleção italiana. 

View this post on Instagram

Dopo 24 ore desidero chiarire il mio pensiero. Ieri sera ho parlato alla fine della partita e mi sono espresso in modo evidentemente troppo sbrigativo, che è stato male interpretato su un argomento per il quale non basterebbero ore e per il quale si lotta da anni. Condanno ogni forma di razzismo e discriminazione. Certi atteggiamenti sono sempre ingiustificabili e su questo non ci possono essere fraintendimenti. // After 24 hours I want to clarify my feelings. Yesterday I was interviewed right at the end of the game, and my words have been clearly misunderstood, probably because I was too hasty in the way I expressed my thoughts. Hours and years wouldn't be enough to talk about this topic. I firmly condemn all forms of racism and discrimination. The abuses are not acceptable at all and this must not be misunderstood.

Continua após a publicidade

A post shared by Leonardo Bonucci (@bonuccileo19) on

Biorou Kean, pai do jogador Moise, também teceu críticas ao zagueiro e capitão da Juventus, em entrevista ao jornal Gazzetta Dello Sport. “Na África, quando se abre os braços como ele fez na comemoração, é uma forma de se expressar dizendo ‘O que eu fiz?’ Ele não queria provocar, é um menino educado, gosta de dançar e brincar com as pessoas”, defendeu o pai. “O que Bonucci disse foi estúpido. Não gostei do que aconteceu. Disse para Moise ficar calmo, porque isso também faz parte do caminho de um campeão”, completou o pai, que ainda desculpou a torcida do Cagliari pelo ocorrido. “O estádio não deve ser fechado. Eu digo que os perdoamos”, encerrou.

Publicidade