Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Jogador brasileiro acusa capitão da Bulgária de racismo

Eli Marques, zagueiro do Oborishte Panagyurishte, afirmou ter sido chamado de macaco por Svetoslav Dyakov

Por Da redação - 15 maio 2017, 14h12

O jogador brasileiro Eli Marques afirmou ter sido vítima de preconceito racial na Bulgária. O zagueiro, que defende o Oborishte Panagyurishte, da segunda divisão do Campeonato Búlgaro, ouviu injúrias raciais de Svetoslav Dyakov, capitão da seleção local, durante uma partida entre sua equipe e o time B do Ludogorets Razgrad, no último sábado.

“Quero que as pessoas saibam que tipo de pessoa é o capitão da seleção da Bulgária e qual é sua mentalidade. ‘Macaco, você está vindo da floresta do Brasil para fingir que é humano’, foi o que Dyakov me disse”, escreveu Marques em uma carta aberta à mídia local. O meia, que possui 34 jogos pela Bulgária desde 2012, participou do jogo depois de ser afastado da equipe principal do Ludogorets devido a uma suspensão.

Dyakov e o Ludogorets, que conquistaram seu sexto título búlgaro consecutivo há dez dias, negaram as acusações. Esta não é a primeira vez que clubes da Bulgária estão envolvidos em casos de racismo. Em 2011, a Uefa multou a União de Futebol Búlgara em 40 mil euros por cantarem músicas racistas aos jogadores Ashley Young, Ashley Cole e Theo Walcott, da Inglaterra, durante as Eliminatórias da Eurocopa de 2012.

 

Publicidade

(Com Reuters)

Publicidade