Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Inspiração para o nome de Bolsonaro, Jair brilhou por Palmeiras e seleção

Jair Rosa Pinto também fez sucesso por Vasco e Santos e participou do "Maracanazo" na Copa do Mundo de 1950

Jair Rosa Pinto, nascido em 21 de março de 1921 na cidade de Quatis, interior do Rio de Janeiro, foi um meio-campista de renome no futebol brasileiro entre as décadas de 1940 e 1960. Fez sucesso na seleção brasileira pré-Pelé e conquistou importantes títulos pelos elencos vencedores de Palmeiras e Santos. Entre os seus fãs estava o palmeirense Geraldo Bolsonaro, que batizou seu filho com o nome do craque, em 21 de março de 1955. Neste domingo, Jair Bolsonaro foi eleito 38° presidente do Brasil.

Jair Rosa Pinto começou a carreira jogando nas categorias de base do Vasco, mas, sem espaço, foi para o Madureira, pelo qual estreou como profissional. Pelo sucesso no clube, foi novamente contratado pelo Vasco em 1943 e fez parte do início da equipe chamada de “Expresso da Vitória”, que conquistou diversos troféus entre 1942 e 1952. Ficou até 1946 no time e venceu o Campeonato Carioca de 1945.

Transferiu-se para o Flamengo em 1947, mas não teve uma passagem de sucesso. Foi acusado de suborno em derrotada de 5 a 2 para o Vasco e negociado, em 1949, com o Palmeiras, clube pelo qual teve o maior destaque na carreira. Fez parte do time que conquistou as “Cinco Coroas”, incluindo o Paulista de 1950, o Rio-São Paulo de 1951 e a Copa Rio de 1951, considerada pelos alviverdes como o primeiro mundial de clubes.

Uma foto no intervalo da partida decisiva do Paulistão de 1950, contra o São Paulo, ficou marcada na história do clube.  Nela, Jair grita com o elenco palmeirense, pedindo raça. Na ocasião, o Palmeiras dependia apenas de um empate para ser campeão e o jogo, mas naquele momento o São Paulo vencia por 1 a 0. No segundo tempo, Jair deu assistência para Achilles, que marcou o gol do título, em partida que terminou empatada em 1 a 1.

Jair ficou no Palmeiras até 1955, ano do nascimento do próximo presidente do Brasil, e transferiu-se para o Santos, clube que defendeu de 1956 a 1960. Foi importante para o surgimento de Pelé, na equipe, pela qual conquistou o Campeonato Paulista em 1956, 1958 e 1960 e o Rio-São Paulo de 1959.

Entre 1950 e 1956 jogou pela seleção brasileira, com a marca de 39 jogos oficiais e 22 gols. Foi campeão da Copa América de 1949, disputada no Brasil, e artilheiro da competição com nove gols. Participou também da Copa do Mundo disputada no país em 1950, terminando com o vice-campeonato. Marcou dois gols na ocasião. Sua despedida foi na Copa América de 1956, no empate em 0 a 0 com o Paraguai no estádio Centenário, em Montevidéu. O Brasil foi quarto colocado no torneio.

Ainda jogou pelo São Paulo (1961) e Ponte Preta (1962/1963), antes de encerrar sua carreira. Tornou-se técnico e dirigiu oito clubes, mas sem sucesso. Morreu em 28 de julho de 2005, aos 84 anos.