Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Guilherme Marinato, mais um brasileiro na Eurocopa

Jogador vem atuando pela seleção russa

Por Redação PLACAR Atualizado em 2 mar 2017, 16h51 - Publicado em 3 jun 2016, 17h04

O sábado, dia 26 de março, foi inesquecível para o mineiro de Cataguases, Guilherme Alvim Marinato. Em partida amistosa realizada em Moscou, ele estreou no gol da seleção da Rússia, onde mora há nove anos e é considerado um dos melhores do futebol local e um dos mais eficientes da Europa. Uma prova disso é que tem boas chances de ser o titular da equipe na próxima Eurocopa, que acontecerá em junho, na França.

Sua história é similar á de tantos outros craques tupiniquins que não podemos ver, nem aproveitar. Entre 2003 e 2007 no Atlético-PR, onde foi revelado, só atuou 18 vezes, em oportunidades dadas pelo então técnico Vadão. Na verdade, ele começou no PSTC de Londrina, que tinha uma parceria com o Furacão.

Chegou ao Lokomotiv Moscou, um dos grandes de lá, em 2007, e já atuou em 156 partidas. No amistoso frente à Lituânia, ele estreou sua nova nacionalidade e recebeu os parabéns de seus companheiros – não tomou gols, a Rússia venceu por 3 x 0 e foi muito bem sempre que exigido. Ele acredita que até agora se falou pouco de sua trajetória por não ter atuado em nenhuma Champions League: “Sempre jogamos Liga Europa”, diz sem perder a esperança, mas sabendo que agora já não pode mais atuar na Seleção do Brasil: “Em 2007, quando vim para a Rússia, sobe que quase fui chamado para a equipe olímpica que atuaria nos Jogos Olímpicos da China – lembra – , mas não aconteceu”.

O mais curiosos da história é que os russos vieram ao Brasil para olhar seu companheiro de time Erandir, mas não se encantaram cm ele e investiram no goleiro 4,5 milhões de euros…. Seu sucesso não aconteceu antes porque teve duas sérias lesões nos joelhos.

Guilherme ama seu novo país, onde mora com a esposa, brasileira, e a filha Sophia, de 4 anos. Apesar disso, seu sonho é encerrar a carreira em Curitiba, especificamente no Atlético “daqui a cinco anos?”, se pergunta, hoje, aos 30 anos de idade e muita Rússia pela frente.

Continua após a publicidade
Publicidade