Clique e assine com até 92% de desconto

Governo autoriza “calote” dos clubes de futebol nas dívidas com a União

Times brasileiros alegaram que não teriam condições de honrar seus compromissos em junho e Governo Federal decidiu estender o prazo para pagamento

Por Alexandre Senechal Atualizado em 13 Maio 2020, 17h03 - Publicado em 13 Maio 2020, 16h44

Uma portaria publicada pelo Ministério da Economia nesta terça-feira, 12, autorizou que os clubes brasileiros tenham mais tempo para pagar seus débitos com o Programa de Refinanciamento Fiscal do Futebol Brasileiro (Profut). O “calote” autorizado prorroga a data de vencimento das parcelas de maio, junho e julho para o segundo semestre deste ano, o que deu um (pequeno) respiro para as equipes.

“Temos acompanhado de perto as consequências da paralisação das competições pelo país. As receitas de bilheteria zeraram e outras fontes de renda dos clubes, como sócio-torcedor e patrocínios, diminuíram drasticamente. Por isso, foi importante tomarmos medidas para dar um alívio aos clubes”, afirmou o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, pasta que intermediou a negociação entre os clubes e o Governo Federal.

  • PLACAR apurou junto ao Ministério da Cidadania que os presidentes de vários clubes procuraram o Governo Federal para pedir o retorno dos campeonatos o mais breve possível, entre eles times de Minas Gerais, Pernambuco e Paraná. De acordo com o relato, três clubes da Série A do Campeonato Brasileiro e pelo menos outros sete da Série B correm sério risco de terem que fechar as portas se a bola não voltar a rolar já no começo de junho. Os dirigentes alegaram estar “enforcados”, principalmente pela falta de pagamentos das cotas de televisão por causa da paralisação dos jogos.

    A portaria determinou que a parcela do Profut de maio poderá ser paga até agosto, a de junho ficará para outubro e a de julho terá vencimento apenas em dezembro. A decisão aconteceu porque, caso não houvesse a suspensão, o Ministério da Cidadania esperava uma inadimplência de 90% dos clubes, o que acarretaria na expulsão de todas essas equipes do Profut e inviabilizaria o programa.

    O governo estuda outras iniciativas para ajudar entidades esportivas, como a prorrogação do prazo de captação de recursos da Lei de Incentivo ao Esporte. Desde 2015, quando foi instituído para que as entidades desportivas nacionais parcelassem seus débitos com a União, o Profut conta com 80 clubes e já amealhou 540 milhões de reais.

    Continua após a publicidade
    Publicidade