Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Futebol: ano infernal para Pernambuco; glórias para o Ceará

As quedas dos clubes pernambucanos e acesso dos cearenses muda o panorama do futebol Nordestino no Campeonato Brasileiro

Dois Estados do Nordeste tiveram anos muitos distintos no futebol nacional. Enquanto Pernambuco lamentou a queda de dois de seus principais clubes, o Ceará viu suas maiores potências ascenderam e ganharem destaque.

Pernambuco

Sport

Um ano para esquecer. Venceu o Estadual contra o Salgueiro com erro do árbitro de vídeo. Perdeu para o Bahia a final da Copa do Nordeste, foi eliminado precocemente na Copa do Brasil e Copa Sul-americana e acabou se salvando do rebaixamento apenas na última rodada do Campeonato Brasileiro. Teve Ney Franco e Vanderlei Luxemburgo como técnicos, mas termina o ano com o interino Daniel Paulista. Mas ainda permanece como único representante do Estado nas duas primeiras divisões nacionais.

Santa Cruz

Rebaixado da Série A para a Série B em 2016, reviveu o que aconteceu há 10 anos, quando teve dois rebaixamentos seguidos em 2006 e 2007. Dessa vez, foi rebaixado para a Série C, novamente antes da última rodada. Foi semifinalista da Copa do Nordeste, 3° no Pernambucano e eliminado antes das oitavas de final da Copa do Brasil.

Náutico

Jogando na Arena Pernambuco, teve seu pior ano neste século, com o rebaixamento para a Série C do Campeonato Brasileiro, torneio que jogará pela primeira vez desde 1999. O clube ainda foi eliminado nas primeiras fases da Copa do Nordeste e Copa do Brasil, além do quarto lugar no Campeonato Pernambucano, que tira o time do Nordestão de 2018.

Ceará

Ceará

Teve um ano inesquecível. Além do título cearense, conseguiu acesso para a Série A do Campeonato Brasileiro, torneio que não disputa desde 2011. Foi eliminado na primeira fase da Copa do Brasil e não disputou a Copa do Nordeste neste ano.

Fortaleza

Voltou à Série B após nove anos, com o vice-campeonato da Série C. Superou o trauma de ser eliminado nas quartas de final da terceira divisão por quatro vezes no período. O primeiro semestre, no entanto, não foi nada bom. Eliminado na primeira fase da Copa do Nordeste e da Copa do Brasil, ainda ficou em terceiro no Campeonato Cearense e não se classificou para o Nordestão de 2018. Mas encerrou o ano contratando Rogério Ceni como treinador, que promete ser grande destaque do futebol nordestino no ano que vem.