Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Fui vítima de racismo, xenofobia e machismo’

Torcedora do Bahia falou sobre montagem criminosa envolvendo gremistas que se espalhou pelas redes sociais. "Elas também são vítimas"

Uma imagem repugnante de racismo se espalhou por grupos de WhatsApp na última semana: uma montagem com a foto de duas torcedoras negras do Bahia acima de outra com cinco torcedoras brancas do Grêmio, com a legenda “Ainda tem gente que acha que time é tudo igual”. Edna Matos, a torcedora do Bahia que aparece ao lado da filha nas arquibancadas da Fonte Nova, tomou conhecimento do fato e denunciou o crime. Segundo ela, as torcedoras gremistas também foram vítimas de discriminação. “A montagem contém três preconceitos: racial, regional e o machismo.”

Edna, de 53 anos, soube da montagem por meio de uma denúncia da prefeitura de Salvador. “Primeiro, eu não tinha entendido. Depois fiquei chateada, com raiva, decepcionada, frustrada, triste… o sentimento que temos quando somos vítimas de discriminação. Não foi a primeira vez, mas é sempre como se fosse, dói igual. Ainda mais porque minha filha também foi vítima.”

Diretora de uma instituição de ensino, o Instituto Federal da Bahia, em Santo Antonio de Jesus (BA), conta que tem discutido sobre o papel e os perigos das redes sociais com os alunos. “O racismo no Brasil até o advento das redes sociais era velado, e hoje ele é camuflado. As pessoas se escondem atrás de um anonimato para destilar seu preconceito. Antes, quando tinha de ser cara a cara, as pessoas não falavam abertamente, mas a gente identificava nos gestos, no trato com as pessoas.”

Edna rejeita totalmente a tese de que a montagem se refira a questões meramente estéticas. “Não tem essa questão de beleza, quem acha isso não está enxergando ou não quer enxergar. Ali está embutida a ideia de que uma raça é mais bonita que a outra, que o nordestino é feio, pobre, inferior e preto, em sua grande maioria… e também o machismo, como se a mulher servisse só para enfeitar a torcida e não para torcer por um time.”

A filha de Edna, Dandara Matos, de 27 anos, atualmente realiza mestrado em estudos africanos em Lisboa e também já foi vítima de preconceito na capital portuguesa. “Uma vez ela foi impedida de entrar numa boate por ser negra, foi uma grande confusão. Ela geralmente responde rápido, mas desta vez ela preferiu que só eu me posicionasse nas redes sociais. Disse que eu seria mais sábia na resposta”, contou Edna, que fez um desabafo no Facebook:

A torcedora do Bahia ressalta que, segundo ela, as jovens gremistas também foram vítimas, de discriminação de gênero. “Tanto eu e minha filha quanto as meninas do Grêmio somos vítimas. Eu duvido que elas tenham autorizado o uso daquela foto.” Edna conta que a repercussão de seu desabafo tem sido positiva e que muitos gremistas a procuraram para manifestar apoio.

“Este caso nos deu a possibilidade de discutir o assunto. Tenho recebido solidariedade de muita gente que não conheço, inclusive do Sul do país, gremistas, agradecendo pela forma como me posicionei. Muita gente me agradeceu por não ter ficado calada. Eu sou militante, tenho responsabilidade com meus alunos e jamais ficaria calada.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Luis Gonzaga de Paulo

    “Que me perdoem as feias, mas beleza é fundamental.” – Vínicius de Moraes: racista, xenófobo e machista tanto quanto eu!

    Curtir

  2. Paulo Emílio de Moraes Garcia

    Esse mundo politicamente correto está chatíssimo de viver. Daqui a pouco (se já não é agora), achar alguém feio, ou preferir loiras a negras/morenas, por uma questão estritamente de gosto pessoal, será considerado racismo/machismo e outras tantos ismos babacas.

    Curtir

  3. Paulo Emílio de Moraes Garcia

    Gatas… as torcedoras do Grêmio, claro…

    Curtir

  4. Paulo Emílio de Moraes Garcia

    Aliás, isso me faz lembrar que preciso ir a Porto Alegre mais vezes….

    Curtir

  5. Alexandre Coelho

    Ainda que as duas baianas fossem loiras e gaúchas, ainda que as gaúchas fossem negras e baianas o post seria o mesmo. a diferença entre elas é que as 5 são bonitas e as duas são feias, cor da pele e local de nascimento não mudaria isso. Após a matéria, ainda se vê que são vitimistas, chatas e negam a realidade. Nada tem a ver com cor da pele ou local de nascimento. De resto a brincadeira é machista mesmo.

    Curtir

  6. Alexandre Coelho

    fossem duas Monalysas Alcântara e as gauchinhas ficariam no chinelo

    Curtir

  7. Edvaldo Ribeiro

    Essas loiras são bonitas qual o problema? Nem um, porem quando morrer todas vão apodrecer como qualquer ser humano, gente! será possível que é tão difícil ter amor com o próximo?

    Curtir

  8. QUE SACO… TUDO AGORA É RACISMO….. 😦

    Curtir