Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

FPF e clubes decidem não parar treinos e farão novo apelo ao governo

Presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, se reunirá na segunda, 15, com o governador e representantes do MP-SP; clubes ainda não paralisarão atividades

Por Klaus Richmond, Alexandre Senechal Atualizado em 12 mar 2021, 17h15 - Publicado em 11 mar 2021, 16h42

A reunião entre os presidentes dos 16 clubes que participam do Campeonato Paulista com a Federação Paulista de Futebol (FPF) terminou com a decisão de que, por enquanto, não haverá paralisação nos treinamentos mesmo após o anúncio do governador João Doria de restrição de atividades esportivas dentro do Estado a partir a próxima segunda-feira, 15. A entidade também informou no encontro que realizará no mesmo dia uma reunião emergencial com o governador e representantes do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) para tentar reaver a decisão de suspensão da competição.

“Fomos informados de que na segunda-feira, às 11h, haverá uma nova reunião no Palácio dos Bandeirantes entre governo, o presidente Reinaldo [Carneiro Bastos] e o MP-SP. Os treinos permanecem inalterados, mesmo depois da paralisação. Foi uma reunião tranquila, com todos os presentes, sem problemas. Estamos muito preocupados, pois sem receita e só com despesas nossas contas não fecham”, disse a PLACAR o presidente do São Caetano, Nairo Ferreira.

  • “O São Caetano tem tudo bloqueado, reduzido. A Federação falou que está preocupada com o problema geral da Covid-19. Se perguntarem a minha opinião, acho que tem que parar tudo, até porque preocupa. Nós jogamos um campeonato sem receita nenhuma quase, precisamos de amparo”, completou.

    Doria confirmou medidas restritivas em vários setores da sociedade, na chamada fase emergencial SP, entre os dias 15 a 30 de março. Futebol ficará parado no período. Os jogos do Campeonato Paulista marcados nestas datas não poderão ser realizados dentro dos limites estaduais. A rodada deste final de semana acontece normalmente.

    “Seguiremos no bom diálogo com a Federação Paulista de Futebol. O presidente Reinaldo Carneiro Bastos é de excepcional no diálogo, construtivo nas suas abordagens e ampara as suas considerações com o Comitê que o assessora, e nós reconhecemos isso, por isso é um diálogo construtivo e que não fica cessado com as decisões de hoje. Continuaremos a dialogar com a FPF, especificamente com o seu presidente que tem a minha estima e respeito”, afirmou Doria sobre as conversas com a entidade que regula o futebol no Estado.

    UOL Esporte Clube | Assine e acompanhe transmissões de grandes jogos e programas esportivos de onde você estiver.

    Apesar do bom diálogo, a FPF e os clubes ainda tentam reverter a situação junto ao poder público. A hipótese de realizar as partidas normalmente em outros estados não foi discutida, de acordo com o presidente do clube do ABC Paulista.

    A paralisação em São Paulo acontece na contramão do movimento feito pela Confederação Brasileira de Futebol. A CBF apresentou um relatório na manhã da quarta-feira, 10, garantindo a segurança do protocolo adotado pelos clubes para a continuação das atividades. Segundo o secretário-geral da entidade Walter Feldman, “o futebol é seguro, controlado, responsável e tem todas as condições para continuar”.

    Com a proibição de realizar partidas dentro do território paulista, os confrontos válidos pela Copa do Brasil na próxima semana com clubes paulistas mandantes (Marília x Criciúma e Mirassol x Red Bull Bragantino) terão ou que ser adiados, ou realocados para outro estado.

    Continua após a publicidade
    Publicidade