Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Final da Liga dos Campeões é transferida de Istambul para Porto

Inclusão da Turquia na lista vermelha do coronavírus levou a decisão entre Chelsea e Manchester City para Portugal; com presença reduzida de público

Por Da Redação Atualizado em 13 Maio 2021, 10h35 - Publicado em 13 Maio 2021, 09h58

A Uefa anunciou nesta quinta-feira, 13, a transferência da sede da final da Liga dos Campeões de 2021, entre Chelsea e Manchester City, de Istambul, na Turquia, para Porto, em Portugal, devido a restrições ligadas ao novo coronavírus. A final entre britânicos acontece no dia 29 de maio, com presença reduzida de público (cada clube receberá 6.000 ingressos para distribuir para seus torcedores).

É o segundo ano consecutivo que a a entidade é obrigada a transferir a decisão da capital turca para Portugal – no ano passado, a fase final ocorreu na “bolha” de Lisboa. A nova mudança ocorreu depois de a Turquia entrar em isolamento nacional rígido e ser incluída na chamada a lista vermelha da Covid-19 no Reino Unido.

Isso significa que todas as delegações e torcedores que fossem à decisão em Istambul seriam obrigados a cumprir uma quarentena de dez dias ao retorna, o que prejudicaria drasticamente o início dos treinamentos da seleção inglesa para a Eurocopa, que começa em 11 de junho. A federação inglesa, então, se esforçou para tirar o jogo da Turquia e chegou a cogitar que a decisão entre britânicos ocorresse em Wembley ou outro estádio local.

  • A Uefa, no entanto, optou novamente por Portugal, que não está na lista vermelha dos britânicos e tem situação da pandemia relativamente controlada, após promover um rígido lockdown e vacinar cerca de 30% de sua população. “Espero que a final seja um símbolo de esperança no ressurgimento da Europa de um período difícil e que os torcedores que viajam para o jogo possam mais uma vez dar voz para mostrar esta final como a melhor do futebol de clubes”, discursou Aleksander Ceferin, presidente da Uefa.

    “Aceitamos que a decisão do governo britânico de colocar a Turquia na lista vermelha para viagens foi tomada de boa fé e no melhor interesse de proteger seus cidadãos da propagação do vírus, mas também nos representou um grande desafio na preparação uma final com duas equipes inglesas”, completou.

    Continua após a publicidade
    Publicidade