Clique e assine com até 92% de desconto

‘Estamos orgulhosos’, diz Modric, capitão croata e melhor jogador da Copa

Camisa 10 de sua seleção, meia do Real Madrid afirma que ele e seus companheiros voltarão de cabeça erguida ao país porque ‘demos o nosso máximo em campo’

Por André Siqueira 15 jul 2018, 18h11

A surpreendente campanha da Croácia, vice-campeã da Copa do Mundo da Rússia, é motivo de orgulho para Luka Modric, 32 anos, eleito o melhor jogador do Mundial. Após a derrota para a França, o meio-campista do Real Madrid exaltou o futebol apresentado por sua seleção, evitou polêmicas sobre as decisões da arbitragem ao longo da partida e afirmou que ele e seus companheiros voltarão para o país de cabeça erguida.

“Estamos orgulhosos, porque demos o nosso máximo em campo. Sentimos esse amor do público, recebemos muitas mensagens de carinho e vamos embora de cabeça erguida”, disse Modric. 

Eleito o craque da Copa pela Fifa, ele lamentou o placar adverso (4 a 2 para os franceses), apesar do futebol apresentado por sua seleção. “Jogamos bem, mas não foi possível. No futebol nem sempre o melhor vence, por isso é o melhor esporte do mundo”, afirmou. 

O técnico da equipe, Zlatko Dalic, também enalteceu o desempenho de sua seleção. Para ele, a partida diante da França foi a melhor da Croácia na Rússia. “Jogamos melhor, talvez tenha sido nosso melhor jogo na Copa, mas o futebol é assim, não adianta falar em justiça ou injustiça”, afirmou. 

  • Arbitragem

    Camisa 10 e capitão da Croácia, Modric evitou comentar as decisões do árbitro argentino Néstor Pitana. O lance mais polêmico foi o pênalti cometido por Perisic, que levou a mão à bola em cabeçada do volante Matuidi. Pitana assinalou escanteio, mas reviu a jogada no VAR, o árbitro de vídeo, e marcou a penalidade. “Não vi o lance depois, me disseram que não foi pênalti, mas não gosto de falar da arbitragem, porque não vai mudar nada”, disse. 

    Continua após a publicidade

    Diferentemente de seu companheiro, no entanto, Ivan Rakitic, meio-campista do Barcelona, foi enfático em suas reclamações contra a arbitragem. Para ele, ”detalhes” ajudaram a seleção francesa. “Gostaria que as pessoas que mandam explicassem melhor as regras do VAR. É uma pena, ainda tem muito a melhorar. Nos dói muito porque são detalhes que ajudaram a outra equipe, mas temos de sair de cabeça erguida”, criticou. 

    Melhor da Copa

    Modric foi eleito o melhor jogador da Copa do Mundo de 2018 neste domingo após ter sido o líder da surpreendente campanha da Croácia, pela primeira vez finalista do Mundial, superando o terceiro lugar de 1998, quando a equipe era liderada pelo atacante Davor Suker.

    A Croácia apresentou um dos melhores desempenhos na fase de grupos, passando por Nigéria, Argentina e Islândia com facilidade. Na fase eliminatória, a história foi diferente, com os croatas precisando de três prorrogações consecutivas e duas disputas de pênaltis para chegar à final. Modric foi o principal nome em quase todas as partidas, deixando Dinamarca, Rússia e Inglaterra pelo caminho.

    Modric se tornou quase uma figura onipresente dentro de campo, estava em todos os lados, no ataque, no meio de campo e na defesa. O meia foi o jogador que maior distância percorreu nesta Copa do Mundo, com 72,3 km. Apesar de não ser um grande jogador na marcação, Modric deixa poucos espaços ao avançar.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade