Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Empresário chinês perde posse do Milan para fundo de investimentos dos EUA

Empresário chinês não quitou empréstimo feito por grupo americano

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 11 jul 2018, 12h36 - Publicado em 11 jul 2018, 12h22

O fundo de gestão de investimentos Elliott Management, dos Estados Unidos, assumiu o controle das operações do Milan nesta terça-feira, porque o empresário chinês Li Yonghong, que comprou o clube italiano em abril de 2017, não pagou à instituição financeira empréstimo avaliado em 300 milhões de euros (cerca de 1,3 bilhão de dólares). O prazo para a quitação do débito venceu na última sexta-feira.

“A propriedade e o controle das operações da companhia dona do Milan se transferiram para os fundos administrados pelo Elliott, em razão da falha em honrar com débitos firmados com a empresa”, escreveu a instituição financeira em comunicado divulgado nesta terça-feira. A expectativa é de que o Elliott Management venda o Milan no futuro, mas a nota do fundo informa que “50 milhões de euros (cerca de 225 milhões reais) serão investidos para estabilizar as finanças do clube e há planos de injetar mais capital ao longo do tempo para prosseguir com a transformação do Milan”.

  • O fundo está executando ordens judiciais para assumir as posses de bens de Li, a começar pela empresa Rossoneri Sport Investment Lux, com sede em Luxemburgo, criada pelo empresário chinês para concluir a compra do Milan. Pelo negócio, o antigo dono, Silvio Berlusconi, recebeu quantia avaliada em 740 milhões de euros (cerca de 2,4 bilhões de reais na cotação da época).

    O Milan não vence o Campeonato Italiano desde a temporada 2010/2011 e o último jogo pela Liga dos Campeões foi disputado em 2014. Para piorar, a Uefa decidiu excluir o clube de competições europeias pelos próximos dois anos, por desrespeito às regras de Fair Play Financeiro da entidade.

    Continua após a publicidade
    Publicidade