Emiliano Sala: 4 hipóteses, mudança de piloto e ausência de caixa-preta

Autoridades britânicas seguem procurando o avião que levava o jogador argentino ao País de Gales e deram novas informações sobre o caso

Por Da redação - Atualizado em 23 jan 2019, 16h49 - Publicado em 23 jan 2019, 16h23

A aeronave que levava o atacante argentino Emiliano Sala de Nantes, na França, para Cardiff, no País de Gales, segue desaparecida, mas nesta quarta-feira, 23, autoridades britânicas deram informações importantes sobre o caso. Os serviços de resgate da ilha de Guernsey, localizada na parte britânica do Canal da Mancha, reiniciaram as buscas na região, com a utilização de dois aviões, e disseram trabalhar com quatro hipóteses para o sumiço do avião.

São elas: que o avião tenha aterrissado em algum lugar, e que os dois ocupantes não tenham feito contato; que houve pouso na água; que ambos tenham sido resgatados, sem ter dado notícias ainda; tenha havido aterrissagem na água e Sala e o piloto estejam em um dos botes que estavam no avião; ou que a aeronave tenha caído na água.

“Procurarão em uma área específica, onde acreditamos haver mais possibilidade de encontrar algo, baseados em uma revisão das correntes e o momento desde que houve o desaparecimento”, divulgou hoje a polícia de Guernsey, em postagem no Twitter.

A Autoridade de Aviação Civil da Grã-Bretanha (CAA, na sigla em inglês), informou, também nesta quarta, que, provavelmente, não havia caixa-preta na aeronave. De acordo com a CAA, as caixas-pretas, que registram dados de voo e conversas da cabine, são obrigatórias em aviões comerciais, mas, não em aparelhos leves, como o que Sala viajava, um Piper PA-46 Malibu, devido ao peso da peça.

Publicidade

Na Europa, é requerido que as aeronaves desse porte levem um transmissor de emergência, para ajudar nas operações de busca e resgate, segundo a mesma fonte.

O Departamento de Investigação de Acidentes Aéreos do Reino Unido (AAIB, na sigla em inglês), informou que está apurando as informações sobre o desaparecimento do avião, que foi registrado nos Estados Unidos. O trabalho é conjunto com órgãos americano, francês e argentino.

Mudança de piloto

No avião, estavam apenas Emiliano Sala e um piloto. Segundo informações iniciais de jornais franceses e britânicos, o condutor da aeronave seria Dave Henderson, de 60 anos. No entanto, a versão foi desmentida horas depois: na verdade, havia três pilotos registrados para subir no avião; uma delas era Henderson, que acabou desistindo do voo, cedendo lugar a Dave Ibbotson, também de 60 anos.

Tabloides britânicos como The Sun e The Mirror divulgaram imagens de uma suposta conversa no Facebook de Ibbotson, horas antes do voo, na qual o piloto admite pouca familiaridade com o sistema Instrument Landing System”, o sistema de precisão para efetuar aproximações e aterrissagens. “(O avião) não estava ruim quando cheguei, mas estou um pouco enferrujado com o ILS”, escreveu, em postagem marcada no aeroporto de Nantes.

Publicidade
Conversa entre Dave Ibbotson, o piloto do avião, e um amigo Conversa entre Dave Ibbotson, o piloto do avião, e um amigo

Conversa entre Dave Ibbotson, o piloto do avião, e um amigo Facebook/Reprodução

O presidente do Cardiff City, Mehmet Dalman, afirmou, em entrevista à BBC, que o clube não foi responsável por contratar o voo. Segundo ele, o jogador recém-contratado junto ao Nantes fez “seus próprios arranjos”.

Na terça-feira 22, jornais argentinos divulgaram áudios de uma conversa que Sala teve com amigos, na qual relatava que o avião parecia estar “caindo aos pedaços” e que sentia medo.

Publicidade

(com agência EFE)

Publicidade