Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Em 2008, Messi comprou briga com Barcelona para ir à Olimpíada

Astro argentino contou com a compreensão do técnico Pep Guardiola para conseguir sua liberação e conquistar a medalha de ouro em Pequim

Por Da Redação Atualizado em 18 jun 2021, 23h28 - Publicado em 17 jun 2021, 16h38

A história se repete de quatro em quatro anos. A cada Olimpíada, federações nacionais e clubes entram em rota de colisão pela liberação de importantes atletas. A bola da vez no Brasil agora é Pedro, atacante citado pelo técnico André Jardine que o Flamengo não pretende liberar para os Jogos de Tóquio. Há 13 anos, quem passou por situação semelhante foi ninguém menos que Lionel Messi, que acabou comprando e ganhando uma briga com o Barcelona. Em seguida, o craque conquistou o ouro olímpico em Pequim-2008.

Messi, então perto de completar 21 anos e já peça fundamental no Barça e com uma participação em Copa do Mundo, contou com a ajuda de outro campeão olímpico, Pep Guardiola, que havia acabado de assumir o comando do time. A princípio, o técnico tentou convencer o argentino a não viajar para a Ásia. No entanto, a cara fechada de Messi nos treinamentos acabou sensibilizando Guardiola.

  • Em entrevista à emissora argentina TyC Sports em 2019, Messi recordou o episódio e admitiu que ficou “insuportável” nos treinamentos até conseguir sua liberação. “Por mais que todos já soubessem, queria que eles percebessem que se eu ficasse, estaria assim (de cara feia). Fiquei um pouco insuportável”, contou Messi. “Todo mundo me dizia que jogar a Olimpíada era lindo e diferente de tudo, e vivenciá-lo foi exatamente assim.”

    O craque argentino disse que Guardiola, campeão olímpico pela Espanha nos Jogos de Barcelona-92, foi fundamental em sua liberação. “Nesse sentido, Guardiola se portou fenomenal, porque ninguém queria que eu fosse e no fim foi ele que me deu a permissão. Depois de um amistoso contra a Fiorentina na Itália, ele me disse: você quer ir, né? Então vá!”, disse Messi. O Barcelona, porém, exigiu que um funcionário do clube o acompanhasse para analisar sua condição física. “Sai correndo da Itália para Barcelona para pegar um visto para a China e deu tudo certo.”

    O Barcelona, porém, estipulou suas condições. A federação argentina se comprometeu a fazer um seguro para o jogador, além de abrir mão de sua participação em amistosos prévios aos Jogos. Em campo, tudo saiu como Messi planejava. Em uma equipe que contava com outros atletas renomados, como Ángel Di María, Sergio Aguero e Juan Román Riquelme, este último como um dos maiores de 23 anos, a Argentina conquistou o bicampeonato olímpico no futebol, ao eliminar o Brasil na semifinal e bater a Nigéria na decisão.

    Messi recordou os poucos dias em que esteve na Vila Olímpica em Pequim. “Fomos todos à fila do McDonald’s, estavam Kobe Bryant, Nadal.. pedimos fotos…”  “Eu desfrutei muito na época e festejamos de forma merecida”, recordou Messi, que também foi campeão mundial sub-20, mas até hoje persegue um troféu com a seleção adulta.

    Juan Riquelme e Lionel Messi em ação pela Argentina nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008
    Juan Riquelme e Lionel Messi em ação pela Argentina nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008 Photogamma/Getty Images
    Continua após a publicidade
    Publicidade