Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
CLIQUE E RECEBA A REVISTA EM CASA A PARTIR DE R$14,90/MÊS Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90

Eliminatórias: Brasil encara a Argentina, a pedra no sapato de Tite

Apesar dos 100% de aproveitamento da seleção brasileira nas Eliminatórias, campeões continentais chegam mais animados para o clássico em Itaquera

Por Luiz Felipe Castro, Guilherme Azevedo Atualizado em 5 set 2021, 11h11 - Publicado em 5 set 2021, 08h00

Brasil e Argentina fazem neste domingo, 5, a partir das 16h (de Brasília), na Neo Química Arena, em São Paulo, o maior clássico do futebol sul-americano, em jogo válido pelas Eliminatórias para a Copa de 2022. O jogo é uma reedição da recente final da Copa América, vencida pelos argentinos, no Maracanã. A conquista que encerrou um jejum de 28 anos sem taças anima a equipe liderada por Lionel Messi, que vem sendo a grande pedra no sapato do técnico Tite.

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

Embora esteja com incríveis 100% de aproveitamento em sete jogos das Eliminatórias e com vaga encaminhada para o Catar, o Brasil não deixou boa impressão na Copa América e nem na última partida, vitória por 1 a 0 sobre o Chile em Santiago. Chega, portanto, pressionado para o reencontro com os hermanos.

Tite assumiu a seleção brasileira em 2016 e tem hoje 80% de aproveitamento: foram 46 vitórias, 11 empates e apenas cinco derrotas em 62 jogos. No entanto, um três dos cinco revezes foram justamente diante da Argentina. Além da final da Copa América, perdeu um amistoso em 2017, na Austrália, e outro em 2019, na Arábia Saudita, ambos por 1 a 0.  As outras derrotas foram para a Bélgica, nas quartas de final da Copa do Mundo de 2018, e para o Peru, em um amistoso em 2019, também por 1 a 0.

Tite tem também três triunfos diante da Argentina (3 a 0, pelas Eliminatórias em 2016, 1 a 0 em amistoso em 2018 e 2 a 0 na semifinal da Copa América de 2019), somando 50% de aproveitamento, com seis gols marcados e três sofridos.

Após a final da Copa América, Tite ressaltou que a equipe dirigida por Lionel Scaloni teve méritos, mas criticou sua estratégia de “antijogo, cavando faltas o tempo todo, demora para bater, arbitragem…”.  Na véspera do duelo deste domingo, o treinador gaúcho evitou polêmicas e disse ter admiração pela equipe que mais lhe deu trabalho.

Continua após a publicidade

“Não adianta usar der hipocrisia. É inevitável dizer que o jogo tem conotação diferente. A gente só rivaliza com quem admira. São jogos assim, como quando em clubes contra Boca, River, Estudiantes, San Lorenzo e Racing, fica outra atmosfera. Mas o que não podemos é jogar o jogo antes, temos absorver energia, ter serenidade, equilíbrio, discernimento. É um jogo emocional que mobiliza, que provoca perguntas, mas essa ponderação é fundamental”, disse Tite, em coletiva pré-jogo,no sábado. “O duelo é especial.”

O atacante Gabriel Barbosa, o Gabigol, deve novamente ser escalado como titular e falou sobre a frustração na final da Copa América. “É outro momento, agora é Eliminatórias, a gente vem de mais uma vitória. Ficamos tristes pela derrota na final, mas é outro momento. É desfrutar, jogar bem e merecer a vitória”, destacou o jogador do Flamengo.

  • Desfalques e Neymar contestado

    Para piorar sua situação, Tite terá nada menos que 12 desfalques: Alisson, Fabinho, Roberto Firmino, Fred, Gabriel Jesus, Ederson, Thiago Silva, Raphinha e Richarlison, jogadores da Premier League, além de Matheus Nunes, do Sporting, Claudinho e Malcom, do Zenit tiveram de ser desconvocados, em razão do veto de seus clubes.

    Eles foram substituídos pelos goleiros Everson (Atlético-MG) e Santos (Athletico), pelo zagueiro Leo Ortiz (Red Bull Bragantino), pelos meias Edenílson (Inter) e Gerson (Olympique de Marselha), pelo meia Artur (Red Bull Bragantino) e pelos atacantes Malcom (Zenit), Vinicius Junior (Real Madrid) e Hulk (Atlético-MG). Já a Argentina obteve a liberação de todos os seus atletas, sob a condição de que os convocados da Premier League só poderão jogar as duas primeiras das três partidas da rodada. 

    Neymar volta a ironizar rumores sobre peso
    Neymar volta a ironizar rumores sobre peso @neymarjr/Instagram

    As estrelas da partida serão, como de costume, Lionel Messi e Neymar, agora novamente companheiros de clube depois da chegada do argentino ao PSG. O camisa 10 brasileiro tentará se recuperar de uma atuação decepcionante diante do Chile, na qual demonstrou estar fora de ritmo e também de forma. Neymar se mostrou incomodado com imagens que davam a entender que estaria acima do peso, prometeu jogar de camisa M em vez de G, e ainda fez duas postagens irônicas nas redes sociais na qual garantiu estar de bem com a balança.

    Messi, por sua vez, chega animado pela conquista da Copa América, mas mantém retrospecto negativo diante  do Brasil, pelo qual jamais marcou em jogos especiais. Da Arena Corinthians, o craque guarda boas lembranças: vitórias diante da Suíça, nas oitavas, e Holanda, na semifinal da Copa de 2014. Em 2019, ele foi expulso, mas venceu a disputa do terceiro e quarto lugares da Copa América, também em Itaquera.

    Além dos atletas que não foram liberados, Tite tem um desfalque importante: o zagueiro Marquinhos, suspenso após levar cartão amareli diante do Chile. O estreante Lucas Veríssimo e o experiente Miranda, de volta à seleção, brigam pela vaga ao lado de Éder Militão.

    Tite não revelou a escalação na véspera, deixando algumas dúvidas no meio e no ataque. A formação mais provável é: Weverton, Danilo, Éder Militão, Lucas Veríssimo (ou Miranda) e Alex Sandro; Casemiro, Bruno Guimarães (ou Gerson) e Lucas Paquetá; Neymar, Vinicius Jr (ou Everton Ribeiro) e Gabigol.

    O Brasil lidera a tabela das Eliminatórias com 21 pontos, seis a mais que a Argentina, vice-líder. Depois desta partida, a seleção brasileira encara o Peru, na quinta-feira, 9, na Arena Pernambuco.

    Continua após a publicidade
    Publicidade