Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dudu se eterniza entre ídolos do Palmeiras com mais um título nacional

Símbolo do renascimento palmeirense a partir de 2015, camisa 7 foi o principal destaque da conquista em 2018

O maior destaque do Palmeiras na conquista do Campeonato Brasileiro de 2018 foi o atacante Dudu. O rápido e arrisco camisa 7 cresceu de rendimento com a chegada de Luiz Felipe Scolari, com quem já havia trabalhado no Grêmio se consolidou como o maior símbolo do crescimento palmeirense nos últimos anos, consagrado também com as conquistas da Copa do Brasil em 2015 e do Campeonato Brasileiro de 2016.

Após a vitória em São Januário, o técnico Felipão não titubeou ao apontar o craque do campeonato. “Eu escolheria o Dudu, sim, como o melhor. Não sei quais são os critérios, mas essa seria minha escolha por tudo que ele representou no Brasileiro para o Palmeiras.”

Dudu chegou ao Palmeiras em 2015, contratado no começo da segunda gestão de Paulo Nobre na presidência do clube. O jogador era disputado por Corinthians e São Paulo, mas surpreendentemente foi parar no rival, que na temporada anterior por pouco não foi rebaixado no ano de seu centenário. A “vitória fora de campo” contra os dois maiores inimigos elevou o clube a outro patamar. O começo foi conturbado, com a perda de um pênalti e uma expulsão na decisão do Campeonato Paulista, mas o trunfo veio no fim do ano, com os gols contra o Santos na conquista da Copa do Brasil.

No ano seguinte, houve decepção com eliminação na primeira fase da Copa Libertadores, mas que durou pouco por causa do título do Campeonato Brasileiro. Dudu, camisa 7 da equipe, era um dos protagonistas, ao lado de Gabriel Jesus, Yerry Mina e Moisés. Ainda naquele ano, na disputa do Campeonato Paulista, Dudu marcou o único gol em vitória contra o Corinthians, no Pacaembu, e comemorou usando o boné de um repórter, provocando o rival, que teria “tomado um chapéu” em sua contratação no ano anterior. .

Neste ano, ao conquistar mais um Campeonato Brasileiro, Dudu, que marcou sete gols na campanha, entra definitivamente no hall de ídolos do alviverde. São três títulos nacionais, marca igual a do zagueiro Cléber e do meia Zinho (campeão brasileiro 1993 e 1994 e da Copa do Brasil 1998), do lateral Djalma Santos (campeão da Taça Brasil 1960 e 1967 e do Roberto Gomes Pedrosa 1967), do zagueiro Luís Pereira e do atacante Edu Bala (campeões do Roberto Gomes Pedrosa 1969 e brasileiro em 1972 e 1973) e do goleiro Sérgio (campeão brasileiro 1993 e 1994 e da Copa dos Campeões de 2000).

Em títulos nacionais, Dudu só fica atrás de nomes como Marcos (campeão brasileiro 1993 e 1994, da Copa do Brasil em 1998 e da Copa dos Campeões de 2000, todos como reserva), o volante Dudu, o meia Ademir da Guia e o atacante César Maluco (campeões do Roberto Gomes Pedrosa 1967 e 1969, da Taça Brasil 1969 e brasileiro 1972 e 1973). O jogador que constantemente recebe propostas do exterior ainda não sabe se ficará no clube em 2019. Se sair, certamente deixará muitas saudades na torcida alviverde.