Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

D’Alessandro e Arrascaeta: corações divididos na Libertadores

Argentino do Inter começou a carreira no River Plate, enquanto uruguaio do Flamengo foi torcedor do Peñarol

Internacional e Flamengo jogam nesta quarta-feira, 3, pela Copa Libertadores. O Internacional recebe o River Plate, em Porto Alegre, enquanto o Flamengo recebe o Peñarol no Maracanã. E os rivais mexem com os corações do argentino Andrés D’Alessandro, do clube gaúcho, e do uruguaio Giorgian De Arrascaeta, do carioca.

D’Alessandro foi torcedor do Racing na infância, mas chegou ao River aos 9 anos, passou toda sua juventude e iniciou sua carreira no atual campeão do torneio. Em 2016, voltou a jogar a jogar pela equipe na segunda divisão do Campeonato Argentino, ao ser emprestado pelo Internacional, clube que defende desde 2008.

D’Alessandro prometeu que não irá comemorar gol, caso marque contra seu ex-clube. “Quero dizer que se fosse o contrário, jogando pelo River e se marcasse contra o Inter, também não celebraria”, afirmou o jogador que fica dividido ao enfrentar o River. “Mexe demais. Eu vou dentro do possível me manter concentrado no jogo.”

O meia argentino recuperou-se de lesão e ainda é dúvida para a partida desta quarta. O jogador pode ser usado no lugar de William Pottker, lesionado.

Veja a tabela e classificação da Copa Libertadores

Já o uruguaio Arrascaeta nunca jogou pelo Peñarol, mas sempre revelou que foi seu clube do coração na juventude. O meia, revelado pelo Defensor, também de Montevidéu, em 2012, chegou ao Flamengo neste ano e, nesta quarta, vai enfrentar seu clube do coração pela primeira vez desde que chegou ao Brasil.

“Os amigos dele dizem que pode jogar bem, mas que chute todas pra fora. Quando era pequeno, a torcida do Giorgian era pelo Peñarol, mas agora jogando pelo Flamengo, vai se esforçar para fazer gols sobre o Peñarol. Esse é o trabalho dele”, disse Alfred De Arrascaeta, pai do jogador, ao Globo Esporte.

“Desde criança sempre fui muito apaixonado pelo Peñarol, então gostaria de jogar lá. Mas também tenho muito carinho pelo Defensor, clube que me revelou e ajudou muito na minha carreira”, disse o jogador uruguaio.