Clique e assine a partir de 9,90/mês

Conheça ídolos que foram campeões como jogadores e como treinadores

PLACAR separou cinco nomes que foram ídolos como jogador e conquistaram títulos treinando a equipe

Por Redação PLACAR - Atualizado em 8 mar 2017, 14h51 - Publicado em 8 dez 2016, 14h45

A conquista de Renato Gaúcho pelo Grêmio, na Copa do Brasil,
garantiu mais um feito da história do ídolo gremista. Após ser campeão e craque
como jogador da equipe, Renato Gaúcho agora foi campeão também como treinador.
Ele tinha apenas uma Taça Piratini, um turno do Gauchão, em 2011. Agora, no
entanto, o treinador venceu um verdadeiro título, de peso, e essencial para a
história do clube.

A Copa do Brasil de 2016 foi o primeiro título nacional da
equipe desde a Copa do Brasil de 2001. E Renato, que dirigiu o time na fase
final, foi essencial para a conquista. Quem começou o trabalho foi outro
ex-jogador do Grêmio, importante, mas não tão ídolo como Renato, Roger Machado.

E a ida de ídolos para seus clubes como treinador estão
ficando comuns, como é o caso de Rogério Ceni, apresentado no São Paulo.

Mas veja, na história, cinco ídolos que voltaram a seus
clubes como treinador e também foram campeões

ZIDANE (Real Madrid-ESP)

Foi craque dos Galáticos do Real Madrid de 2001 a 2006,
conquistando uma Liga dos Campeões, um Espanhol, um Mundial de Clubes, duas
Supercopas da Espanha e uma Supercopa da Europa.

Em 2015, virou treinador de um Real Madrid que vivia uma
crise com Rafa Benítez. Assumiu meio que interinamente, mas logo foi efetivado
e, ao final da temporada, conquistou a Liga dos Campeões. No começo desta
temporada, ainda venceu a Supercopa da Europa.

Zidane jogou pelo galáticos e hoje dirige o Real Madrid – Montagem nas fotos de Stephen Dunn/Getty Images e Denis Doyle/Getty Images

BECKENBAUER
(Bayern de Munique-ALE)

Foi jogador histórico do Bayern de Munique, de 1964 a
1977.  É talvez o maior ídolo da história
do clube, pelo qual conquistou quatro Campeonatos Alemães, quatro Copas da
Alemanha, uma Recopa Europeia, três Ligas dos Campeões e um Mundial de Clubes,
contra o Cruzeiro, em 1976.

Voltou como treinador em 1993/1994 e depois 1995/1996. Nessa
passagem, conquistou o Campeonato Alemão de 1993/1994 e a Copa da Uefa de
1995/1996. Ou seja, em duas passagens, conquistou dois títulos importantes pela
equipe em que tem funções administrativas até hoje.

Beckenbauer nos tempos de treinador e jogador – Montagem nas fotos de David Cannon/Allsport e Allsport UK /Allsport

TELÊ SANTANA (Fluminense)

Foi muito ídolo como jogador do Fluminense. Conquistou dois
cariocas, dois Rio-São Paulo e a Copa Rio de 1952, além de diversos títulos
menores pela equipe.

Em 1969, iniciou sua carreira de treinador no mesmo clube. E
na equipe, foi campeão carioca daquele ano. Além disso, formou a equipe que
seria campeão do Roberto Gomes Pedroso, a Taça de Prata de 1970. Contudo, o
time campeão acabou mudando a escalação usada por Telê no começo daquele ano.
Voltou ao Flu em 1989, mas em uma passagem curta.

Telê Santana no Fluminense – Abril

DUDU (Palmeiras)

Dudu é um dos maiores ídolos da história do Palmeiras. Volante
brigador, fez dupla com Ademir da Guia, marcada na memória dos torcedores do
clube. Conquistou nove títulos oficiais com o time. Uma Taça Brasil, dois
Roberto Gomes Pedrosa, dois Brasileiros, um Rio-São Paulo e três Campeonatos
Paulistas, sendo o último, em 1974, deixando o rival Corinthians mais um ano na
fila.

Iniciou a carreira de treinador no próprio Verdão em 1976.
Naquele ano, como Telê, conquistou o Paulista pelo time. Aquele seria o último
título do alviverde antes da fila de 17 anos que se seguiria, sem conquistas.
Voltou ao clube ainda em 1981 e 1990/1991, mas sem sucesso.

Dudu foi volante do Palmeiras – LEMYR MARTINS

CRUYFF (Barcelona)

O nome aqui poderia ser o de Guardiola. Mas Cruyff foi muito
mais ídolo como jogador. Jogou no clube de 1973 a 1978, em seu auge na
carreira, com o Carrossel Holandês. Conquistou apenas um Espanhol e uma Copa do
Rei como jogador, mas brilhou nos gramados do Nou Camp.

Voltou em 1988 como técnico, ficando até 1996. Ou seja,
foram oito anos dirigindo a equipe, conquistando quatro espanhóis, três
Supercopas da Espanha, uma Copa do Rei, uma Recopa europeias, uma Supercopa
europeias e a primeira Liga dos Campeões da história do clube.

 

Continua após a publicidade

Clive Brunskill/Allsport

Publicidade