Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Com titulares no Mundial, ‘sub-20’ do Liverpool toma goleada na Inglaterra

Como não teve o compromisso adiado, uma equipe com média de idade de pouco mais de 19 anos teve que substituir o time de Jürgen Klopp

Por Da Redação - Atualizado em 17 dez 2019, 20h42 - Publicado em 17 dez 2019, 20h38

Nada de Salah, Firmino ou Sadio Mané. O Liverpool entrou em campo nesta terça-feira 17 para enfrentar o Aston Villa pelas quartas de final da Copa da Liga Inglesa com um ataque formado por Elliott, Hill e Longstaff. A faixa de capitão, usualmente do volante inglês Jordan Henderson, ficou desta vez com o espanhol Pedro Chirivella, de 22 anos. A escolha definitivamente não foi técnica: como Jürgen Klopp e os 23 jogadores do elenco principal estão no Catar para a disputa do Mundial de Clubes, o time inglês entrou em campo com uma equipe repleta de jovens, alguns que sequer haviam jogado como profissionais. O resultado de 5 a 0 para o adversário e a eliminação no torneio, portanto, não causaram espanto.

O escolhido para ocupar temporariamente o lugar de Klopp foi o técnico do time sub-23 do Liverpool, Neil Critchley. Os onze titulares escolhidos utilizavam camisas com numerações pouco usuais no futebol. O goleiro Kelleher era o 62. O atacante Elliott, número 67, tem apenas 16 anos. A média de idade do Liverpool nesta partida foi de apenas 19 anos e 182 dias, a menor em toda a história do clube.

A escalação do Liverpool com os 11 titulares utilizando números de camisas reservas entregava o time de jovens que os Reds utilizaram nas quartas de final da Copa da Liga Inglesa, contra o Aston Villa – 17/12/2019 Action Images via Reuters/Andrew Boyers/Reuters

A falta de experiência pesou e o Aston Villa, jogando em casa, abriu 4 a 0 ainda no primeiro tempo. Hourihane, Boyes (contra) e Kodija (duas vezes) foram os autores dos gols da partida. Nos acréscimos da segunda etapa, o brasileiro Wesley Moraes ainda fez o quinto e fechou o placar.

A Premier League aceitou adiar o confronto entre Liverpool e West Ham, pelo Campeonato Inglês, que seria realizado no próximo sábado 21, data da final do Mundial de Clubes. O confronto pela Copa da Liga Inglesa, porém, foi mantido para a data original. Por isso, os Reds foram obrigados a jogar com um time alternativo.

Publicidade

Historicamente, o mês de dezembro é o mais atribulado para os times ingleses devido ao número de jogos. Se um time do país vence a Liga dos Campeões, o sucesso é “punido” com mais um compromisso.

Sem o Mundial no radar, o Manchester City foi o único clube na história a conseguir vencer o Campeonato Inglês e as duas taças nacionais, a Copa da Liga Inglesa e a tradicional Copa da Inglaterra . Nesta temporada, porém, a disputa no Catar acabou atrapalhando os planos de Klopp em repetir o feito.

Publicidade