Clique e assine a partir de 8,90/mês

Clássico no México é decidido com cavadinha inacreditável

América já havia perdido uma penalidade desta forma no primeiro tempo, mas paraguaio Cecílio Domínguez teve sangue frio em nova oportunidade

Por Da redação - 7 ago 2017, 11h39

Marcar um gol no estádio Azteca, na Cidade do México, já deve ser especial. Imagine então decidir um clássico no gramado onde Pelé e Maradona conquistaram a Copa do Mundo com uma cavadinha espetacular. O atacante paraguaio Cecílio Domínguez, do América, viveu essa experiência neste domingo, na vitória por 2 a 1 sobre o Pumas Unam. Um fato torna o feito ainda mais inacreditável: o América já havia desperdiçado um pênalti na mesma partida, no fim da primeira etapa, e da mesma maneira.

O América saiu na frente com um belo toque por cobertura de Oribe Peralta (carrasco da seleção brasileira na Olimpíada de Londres). O Pumas empatou pouco depois com Nicolás Castillo. No último lance do primeiro tempo, foi marcado um pênalti inexistente para o América: o argentino Silvio Romero bateu de cavadinha e o goleiro Alfredo Saldívar defendeu, para desespero do narrador mexicano – “não se bate assim, em um clássico não!”, gritou. (o lance começa a 6:15 do vídeo abaixo).

Aos 35 segundo tempo, o América, teve nova chance para vencer o clássico em cobrança de pênalti. Cecílio Domínguez, a contratação badalada do time para 2017, assumiu a responsabilidade e, com uma frieza impressionante, também arriscou uma cavadinha, desta vez com sucesso. “Não posso acreditar! Qual era a probabilidade? Que imprudência, que descaramento…”, narrou o incrédulo jornalista mexicano (a partir de 10:40). Após três rodadas, o América é o sexto colocado da liga mexicana, com seis pontos. O líder é o Lobos Buap, com sete, e o Pumas é o 13º, com três pontos.

 

Continua após a publicidade
Publicidade