Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

CBF demite Feldman e anuncia Edu Zebini como novo secretário-geral

Presidente interino Antônio Carlos Nunes anunciou decisão nesta quinta-feira

Por Da Redação Atualizado em 18 jun 2021, 23h27 - Publicado em 17 jun 2021, 18h08

Mergulhada em uma crise institucional, que inclui o afastamento do presidente Rogério Caboclo, acusado de assédio moral e sexual, a Confederação Brasileira de Futebol anunciou mudanças em sua direção nesta quinta-feira, 17. Walter Feldman foi demitido pelo presidente interino Antônio Carlos Nunes do cargo de secretário-geral da CBF. Seu lugar será ocupado temporariamente por Edu Zebini, que chefia também a diretoria de mídia da entidade.

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

“Eduardo Zebini é o novo Secretário-Geral da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Ele foi nomeado nesta quinta-feira (17), em substituição a Walter Feldman, que deixa a entidade. A CBF agradece a Feldman pelos relevantes serviços prestados ao longo dos últimos seis anos. Experiente profissional de comunicação, Zebini assumiu em abril de 2020 a Diretoria de Mídia da CBF, cargo que acumulará temporariamente com a Secretaria Geral”, informou a CBF, em nota.

  • Médico e político (foi deputado estadual e federal), Feldman, de 67 anos, estava no cargo desde 2015. Seu prestígio na entidade começou a ruir junto com o de Caboclo, sobretudo após a mudança da Copa América para o Brasil, no início do mês. Feldman foi acusado pelo próprio Caboclo de traição e chegou a ser demitido em um último e desesperado ato do presidente afastado. Acabaria readmitido pelo coronel Nunes, mas novos desentendimentos culminaram em sua saída definitiva nesta quinta-feira.

    Edu Zebini, por sua vez, é um executivo com grande experiência no jornalismo esportivo, com passagens por Band, Record e Manchete. De 2011 a 2020, foi vice-presidente e diretor editorial do canal Fox Sports. Em seguida, assumiu a diretoria de mídia da CBF. Rogério Caboclo, responsábel por sua contratação, segue suspenso por ao menos 30 dias, enquanto será investigado pelo Comitê de Ética do Futebol Brasileiro sobre a denúncia de assédio moral e sexual protocolado por uma funcionária da CBF.

    Rogério Caboclo e Walter Feldman -
    Rogério Caboclo e Walter Feldman – Mauro Horita/CBF
    Continua após a publicidade
    Publicidade