Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
CLIQUE E RECEBA A REVISTA EM CASA A PARTIR DE R$14,90/MÊS Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90

CBF: ‘Anvisa poderia ter exercido sua atividade de forma mais adequada’

Entidade diz que lamenta profundamente os fatos ocorridos e que defende a implementação dos mais rigorosos protocolos sanitários

Por Da Redação Atualizado em 5 set 2021, 19h46 - Publicado em 5 set 2021, 18h38

Após a suspensão da partida entre Brasil e Argentina pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) publicou uma nota oficial, na noite deste domingo, 5, em que lamenta os fatos ocorridos e critica a ação da Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anvisa).

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

“A CBF defende a implementação dos mais rigorosos protocolos sanitários e os cumpre na sua integralidade. Porém ressalta que ficou absolutamente surpresa com o momento em que a ação da Agência Nacional da Vigilância Sanitária ocorreu, com a partida já tendo sido iniciada, visto que a Anvisa poderia ter exercido sua atividade de forma muito mais adequada nos vários momentos e dias anteriores ao jogo”, diz.

Além disso, a entidade disse que em nenhum momento Ednaldo Rodrigues, presidente interino da CBF, ou seus dirigentes interferiram em qualquer ponto relativo ao protocolo sanitário estabelecido pelas autoridades brasileiras para a entrada de pessoas no país.

“O papel da CBF foi sempre na tentativa de promover o entendimento entre as entidades envolvidas para que os protocolos sanitários pudessem ser cumpridos a contento e o jogo fosse realizado”, escreve, em nota.

Continua após a publicidade

“A CBF reitera sua decepção com os acontecimentos e aguarda a decisão da Conmebol e da Fifa em relação à partida”, completa.

Em nota oficial, a Anvisa disse que a ação se limitou a buscar o cumprimento das leis brasileiras, o que se limitaria à segregação dos jogadores e as suas respectivas autuações.

“A decisão de interromper o jogo nunca esteve na alçada de atuação da Agência. Contudo, a escalação de jogadores que descumpriram as leis brasileiras e as normas sanitárias do país, e ainda que prestaram informações falsas às autoridades, essa assim, sim, exigiu a atuação da Agência de estado, a tempo e a modo”, escreve.

Continua após a publicidade
Publicidade