Clique e assine a partir de 9,90/mês

Capitão do último título da Argentina relembra clássicos e aposta em Messi

'Seria lindo eliminar o Brasil em sua casa', afirmou o ex-zagueiro Oscar Ruggeri, que recordou vitória na Copa do Mundo de 1990

Por Luiz Felipe Castro - Atualizado em 1 Jul 2019, 09h29 - Publicado em 1 Jul 2019, 09h00

BELO HORIZONTE – Oscar Ruggeri, de 57 anos, foi o último capitão a levantar uma taça de pela seleção argentina adulta, na longínqua edição de 1993 da Copa América. Então um zagueiro marcado pelo jogo brusco e forte personalidade, ele é hoje comentarista em seu país e, coincidentemente, está hospedado no mesmo hotel que a seleção brasileira, de onde demonstrou confiança para o clássico de terça-feira, 2, no Mineirão, pela semifinal.

Ruggeri acredita que uma vitória diante do Brasil pode levantar o astral da equipe, que persegue o título há 26 anos. “Brasil x Argentina é o jogo que todos querem jogar, todos querem assistir. Além disso faz muito tempo que não jogamos um jogo eliminatório. Acho que o Brasil está muito bem e a Argentina cresceu um pouco, mas falta ainda muito mais.” O último duelo de caráter decisivo foi a final da Copa América de 2007, vencida pelo Brasil.

O ex-capitão aposta no atual. “Tomara que na terça-feira façamos um bom jogo, e que tenhamos Messi em sua melhor versão, porque precisamos muito dele. Seria lindo eliminar o Brasil em sua própria casa.” Ruggeri, que além de duas Copas América também conquistou um título e um vice da Copa do Mundo, citou suas lembranças mais vivas do clássico sul-americano.

“A melhor foi a vitória na Copa de 1990, claro, quando tivemos a sorte de eliminar um grande Brasil. Estávamos bastante descompensados, mas tivemos sorte e uma jogada brilhante do Maradona com Canniggia. A pior foi a derrota na Copa América de 89, por 2 a 0. Mas não foram muitas derrotas e a lembrança que importa mais é sempre a da Copa do Mundo”, disse, em tom debochado.

Continua após a publicidade

Ruggeri recordou também os craques brasileiros que mais admirou. “Foram tantos, joguei contra Júnior, Zico… Depois apareceram Romário, Ronaldinho, Romário, Cafu, Roberto Carlos, jogadores incríveis.”

E minimizou uma grande confusão em que se envolveu com brasileiros, na final da Copa Conmebol de 1997, quando era um veterano jogador do Lanús e enfrentou o Atlético Mineiro. Na ocasião, uma agressão de Ruggeri a Jorginho iniciou uma briga generalizada que terminou com vários atletas machucados. Então técnico do Atlético Mineiro, Emerson Leão levou socos e teve de passar por uma cirurgia no rosto. “Errei, mas eu não tive nada a ver com o que aconteceu com Leão. Ele era um cara como eu, de muita personalidade, mas eu não tive nada a ver com isso.”

View this post on Instagram

Llegamos a Brasil por La Copa America 2019, Vamos Argentina!!

Continua após a publicidade

A post shared by Oscar Alfredo Ruggeri (@ruggeri86oficial) on

Publicidade