Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cadastro irregular de jogador pode mudar classificação das Séries A e B

Jogador registrado com suposta identidade falsa poderia prejudicar o Goiás, na Série B, e o Ceará, na Série A

Nesta segunda-feira, o Goiás foi pego de surpresa com uma acusação de utilização irregular do lateral Ernandes Dias Luz, na última temporada. Segundo informações do repórter Pedro Orioli, da Rádio Central AM Campinas, o clube do Centro-Oeste teria registrado e utilizado o lateral esquerdo Ernandes Dias Luz de forma irregular na disputa da Série B neste ano em 31 partidas. Ele teria duas certidões de nascimento: uma original, que data de 11 de novembro de 1985 e outra, de dois anos depois, de 11 de novembro de 87 data em que o atleta foi registrado pela equipe e no BID da CBF. Assim, ele teria 33 anos e não 31 como aponta o próprio site do Goiás.

Segundo o Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), a infração está descrita no Artigo 214, que diz: “incluir na equipe, ou fazer constar da súmula ou documento equivalente, atleta em situação irregular para participar de partida, prova ou equivalente” acarreta na “perda do número máximo de pontos atribuídos a uma vitória independentemente do resultado da partida”, e multa de 100 reais a 100.000 reais.

“Para os fins deste artigo, não serão computados os pontos eventualmente obtidos pelo infrator. O resultado da partida, prova ou equivalente será mantido, mas à entidade infratora não serão computados eventuais critérios de desempate que lhe beneficiem, constantes do regulamento da competição, como, entre outros, o registro da vitória ou de pontos marcados”, acrescenta o artigo.

O caso poderia beneficiar dois clubes da Série B do Campeonato Brasileiro: Ponte Preta e Paysandu. Quinta colocada na Série B, a Ponte terminou o campeonato empatada em números de pontos com o Goiás, quarto colocado, mas atrás pelo número de vitórias: 18, contra 16. Assim, caso a irregularidade se confirme e haja punição pelo STJD, o time de Campinas garantiria o acesso à Série A.

No caso do Paysandu, a equipe terminou na 17ª posição, com 43 pontos e caso o Goiás perca os pontos disputados com Ernandes em campo, o clube entraria na zona de rebaixamento e consequentemente seria rebaixado para a Série C, mantendo o clube paraense na segunda divisão.

O Goiás se defendeu afirmando que não tem influência na suposta irregularidade. “Não tivemos nenhum jogador escalado de maneira irregular. Todos estão aptos e inscritos dentro de toda regularidade e critério do campeonato. No Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ernandes Dias Luz nasceu no dia 11 de novembro de 1987, ou seja, como consta no documento apresentado pelo jogador no ato de contrato com o Goiás Esporte Clube. Se o atleta possui outra documentação, o fato não é de responsabilidade do clube que o contratou e sim de quem efetuou o registro do jogador como profissional de futebol. Em toda documentação de Ernandes apresentada ao Goiás, desde Carteira de Trabalho, de Reservista, Carteira de Motorista e de Identidade apresentam a data de nascimento com o ano de 1987. Fato este que não acarretará nenhum tipo de ação ou punição contra o Goiás Esporte Clube. O atleta está de férias e até o presente momento não foi localizado para prestar esclarecimentos sobre o fato apresentado”, explicou.

Troca de farpas

Em entrevista coletiva nesta terça-feira, a diretoria da Ponte Preta acusou o Goiás de ser responsável pela eventual condição irregular do lateral-esquerdo Ernandes na Série B. “A Ponte entende, categoricamente, que o Goiás tem responsabilidade nessa situação. Seria um salvo conduto para eles. Até acho que realmente não sabiam, mas existe a responsabilidade. Decisão da diretoria é aguardar até quarta-feira para ver se a Procuradoria vai oferecer a denúncia. Se eles oferecerem, vamos acompanhar como terceira interessada. Caso não, vamos tomar nosso caminho e oferecer a denúncia por conta”, afirmou Giuliano Guerreiro, diretor jurídico da Ponte.

A resposta do Goiás veio por meio de provocação nas redes sociais. “Goiás Esporte Clube informa: com índice chuvoso entre 31 e 33mm, a Ponte ficará impossibilidade de subir me 2018”, publicou o time alviverde em seu Twitter. Em seguida, o clube apagou a publicação.

Tweet do Goiás Esporte Clube (Twitter/Reprodução)

Caso pode chegar à Série A

Especula-se que o caso também possa atingir o Ceará, clube da Série A do Campeonato Brasileiro, que teve Ernandes em campo na primeira rodada, em derrota de 2 a 0 para o Santos. O jogador irregular poderia fazer o time nordestino perder três pontos, que o rebaixaria à Série B e salvaria o Sport, 17° colocado.

(com Gazeta Press)