Clique e assine a partir de 9,90/mês

Brasileiro chora após ser vítima de racismo na Sérvia

Everton Luiz, do Partizan Belgrado, reagiu a manifestações racistas de torcedores do Rad com gesto obsceno, causando confusão em clássico na Sérvia

Por Da redação - Atualizado em 20 fev 2017, 12h12 - Publicado em 20 fev 2017, 11h56

Mais um jogador brasileiro foi vítima de racismo na Europa. Neste domingo, o meia Everton Luiz, do Partizan Belgrado, da Sérvia, deixou o clássico diante do Rad chorando após reagir a manifestações racistas com um gesto obsceno, causando confusão entre os atletas.

Jogando fora de casa, Everton foi alvo de cânticos racistas por parte da torcida do Rad, que imitava um macaco a cada toque na bola do jogador revelado pela Ponte Preta. Sua equipe venceu o clássico por 1 a 0 e, irritado com as ofensas, Everton exibiu o dedo do meio à torcida rival ao deixar o campo. Atletas do Red, então, foram tirar satisfação com o brasileiro e foram contidos pelos colegas de Everton após um longo bate-boca.

Quando os ânimos se acalmaram, Everton começou a chorar e foi consolado pelos companheiros, especialmente pelo goleiro Filip Kljajic.  Em comunicado, o Partizan afirmou que “condena veementemente cânticos racistas dirigidos a Everton”, que são “completamente contrários ao compromisso e à opinião da grande maioria dos cidadãos da Sérvia e todos os fãs do Partizan”.

“Condenamos fortemente os autores deste ato insensato, que não só é racista, mas é também um ato de ódio contra o Partizan e todos os cidadãos da Sérvia. Estamos confiantes de que Rad não está de forma alguma relacionado com as cenas desagradáveis e acreditamos que este evento vergonhoso não vai estragar o nosso esporte e nossa amizade”, continua o clube.

Everton, de 28 anos, começou a carreira na Ponte Preta, em 2009, e passou por Marília, Bragantino, CRB e Criciúma antes de iniciar sua aventura europeia por Lugano e St. Gallen, da Suíça, até chegar à Sérvia em 2016.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade