Clique e assine a partir de 9,90/mês

Brasileirão 2018: clubes vetam árbitro de vídeo

Clubes alegaram "questões técnicas" e também alto custo, cerca de R$ 30.000 por partida. Sistema será usado na Copa do Brasil

Por Estadão Conteúdo - 5 fev 2018, 19h43

O Campeonato Brasileiro de 2018 não terá árbitro de vídeo. A introdução do recurso foi vetada nesta segunda-feira pela maioria dos clubes da Série A, durante reunião do conselho arbitral, na sede da CBF, no Rio. No entanto, a tecnologia será adotado na Copa do Brasil, a partir da fase de quartas de final.

A adoção da tecnologia para auxiliar a arbitragem a tirar dúvidas relacionadas a lances de gol, pênalti, aplicação de cartão vermelho e também à identificação de atletas estava dividindo os clubes pelo aspecto técnico, por interferir na marcação do juiz, como financeiro. Muitos clubes queriam que a CBF arcasse com os custos, estimados em 30.000 reais por partida, e não concordaram em pagar totalmente ou em parte os gastos.

O tema foi colocado em votação e 12 clubes foram contra. Apenas sete foram a favor e o São Paulo não votou, pois seu representante deixou a reunião antes de o assunto ser definido.

Sergio Correa, ex-chefe do departamento de arbitragem da CBF e responsável pelos estudos para a implantação do VAR, como o árbitro de vídeo é chamado oficialmente, negou que os custos tenham sido preponderante para a negativa. “Não foi exatamente a questão do custo. Teve clube que argumentou com a questão técnica, outro falou de testes, alguns de custos. Uma pena”.

Continua após a publicidade

No conselho arbitral, os clubes aprovaram o uso da grama sintética em substituição à natural – é o caso, atualmente, da Arena da Baixada, estádio do Atlético Paranaense.

Outra decisão tomada pelos clubes permite a venda de cinco mandos de campo, desde que o clube visitante concorde, assim como a federação à qual o mandante é filiado. E a venda não pode acontecer nas últimas cinco rodadas do campeonato.

Publicidade