Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Barcelona e Real Madrid disputam liderança sob tensão política

Clássico foi remarcado devido a conflito político na Catalunha. Grupo independentista promete novos protestos e segurança foi reforçada no Camp Nou

Por Da Redação - Atualizado em 18 dez 2019, 11h23 - Publicado em 18 dez 2019, 11h13

Barcelona e Real Madrid fazem nesta quarta-feira, 18, a partir das 16h (de Brasília), o maior clássico do futebol mundial no Camp Nou, com um ambiente de enorme tensão no ar. O jogo corresponde à 10ª rodada do Campeonato Espanhol e foi adiado há cerca de dois meses devido a protestos na Catalunha. A expectativa é que manifestações a favor da independência da Catalunha ocorram na partida e, por isso, a segurança foi reforçada. O clássico, que será transmitido pela ESPN Brasil, ainda vale a liderança, já que as equipes estão empatadas o topo com 35 pontos.

A plataforma independentista Tsunami Democratic convocou uma manifestação no entorno do estádio e informou que pretende manifestar “nas arquibancadas e no campo de jogo” seu slogan “Spain, sit and talk” (Espanha, sente e converse), um chamado para a negociação de um referendo de independência.

Segundo o diário La Vanguardia, o grupo pretende levar bolas pretas infláveis ao Camp Nou. Os objetos seriam uma representação das balas de borracha atiradas pela polícia nas últimas manifestações. Por questões de segurança, a polícia recomendou que Barcelona e Real Madrid se concentrassem no mesmo hotel e saiam juntos rumo ao estádio.

Polícia catalã definiu um perímetro de segurança em torno do Hotel Sofia antes da partida entre Barcelona e Real Madrid Eric Alonso/Getty Images

O técnico do Real Madrid, Zinedine Zidane, minimizou a relevância de possíveis protestos. “É uma partida de futebol, muitas coisas são ditas em volta, mas, no fim, as pessoas simplesmente querem ver um bom jogo.”

Publicidade

O Barcelona, que jamais se declarou abertamente favorável a independência da Catalunha, informou que os torcedores poderão se manifestar politicamente, mas de forma pacífica. “O Camp Nou é um espaço de expressão livre. Vivemos um momento complicado, mas tudo é compatível com o futebol, se for em paz. O Barcelona está se preparando para o jogo como de costume. Falaria para todos virem ao Camp Nou como sempre fazem, com amigos, com família”, afirmou o presidente do clube, Josep María Bartomeu.

Desde 2017, a Catalunha convive com uma crise política ligada a movimentos independentistas. A tensão foi agravada recentemente pela condenação e prisão de líderes de um movimento separatista. Personalidades do futebol como o zagueiro Gerard Piqué e o técnico Pep Guardiola já demonstraram apoio ao direito de votar e pediram a liberação dos presos.

A Catalunha possui um governo e instituições regionais, mas que seguem subordinados ao Estado da Espanha. Ao longo dos últimos anos, dirigentes de La Liga ameaçaram excluir o Barcelona do campeonato caso a independência da Catalunha fosse consumada.

Em campo

Publicidade

O Barcelona lidera a Liga por ter vantagem nos critérios de desempate (11 vitórias contra 10 do rival) e defende uma invencibilidade de seis jogos diante do Real Madrid. Os principais protagonistas dos times, Lionel Messi e Karim Benzema, também dividem a artilharia do torneio, com 12 gols, e estarão em campo.

O volante brasileiro Arthur, do Barcelona, tem uma lesão no púbis e é dúvida para a partida. Pelo lado do Real Madrid, Marcelo, Eden Hazard, James Rodríguez, Lucas Vázquez e Asensio estão lesionados e fora de combate. Com isso, os brasileiros Rodrygo e Vinicius Junior podem aparecer no time – a tendência é que os titulares do ataque sejam Isco, Benzema e Gareth Bale.

Publicidade