Clique e assine a partir de 9,90/mês

Barcelona contratou empresa para defender cartolas e difamar ídolos

De acordo com a rádio Cadena Ser, até Messi foi alvo de ataques das páginas criadas para proteger o presidente Bartomeu

Por Da Redação - Atualizado em 17 fev 2020, 11h53 - Publicado em 17 fev 2020, 11h01

Uma novo escândalo político abateu o time do Barcelona nesta segunda-feira 17 com a revelação feita pela rádio Cadena Ser de que o clube catalão contratou uma empresa que criava perfis na internet para defender a direção comandada pelo presidente Josep Maria Bartomeu – e, para isso, chegou a difamar ídolos do clube como Lionel Messi, Pep Guardiola e Gerard Piqué.

O Barcelona pagou 1 milhão de euros pelos serviços da empresa I3Ventures, que, entre outras funções, criou ao menos uma dezena de páginas no Facebook que se dedicavam a proteger a imagem de Bartomeu e do clube. Algumas das ações chegaram a criticar Messi pela demora em renovar seu contrato e Piqué por uma suposta “acomodação” devido a suas outras atividades, como a organização da nova Copa Davis.

Guardiola e os ex-jogadores Xavi e Carlos Puyol também receberam comentários negativos. Os cartolas da oposição Víctor Font, Joan Laporta e Agustí Benedito foram os principais alvos das postagens.

À Cadena Ser, o Barcelona “admite a contratação destes serviços, mas assegura que não são responsáveis pelo conteúdo das publicações”. O caso deve gerar enorme repercussão num momento já turbulento do clube, segundo colocado do Campeonato Espanhol.

Continua após a publicidade

Na semana passada, o diretor esportivo Eric Abidal entrou em conflito público com Messi. Ex-companheiro do argentino como jogador antes de se tornar dirigente, o francês deu uma entrevista sobre os bastidores da demissão do antigo técnico, Ernesto Valverde. De acordo com Abidal, houve “motivos internos no vestiário” que culminaram na saída do treinador e “muitos jogadores não estavam satisfeitos, nem trabalhavam muito”. As declarações enfurecerem Messi, que rebateu nas redes sociais.

Barcelona se defende – Horas depois da divulgação da notícia, o clube catalão divulgou um comunicado no qual negou as informações da Cadena Ser e disse que mantém contratos com “serviços de monitoração de redes sociais”, mas que estes não são responsáveis por criar qualquer tipo de conteúdo difamatório. Confira, na íntegra:

Em relação às informações difundidas hoje sobre a contratação de uma empresa dedicada a criar páginas de opinião nas redes sociais para difamar a imagem de terceiros relacionados direta ou indiretamente com o clube, o Barceona:

1 – Nega redondamente qualquer relação e, além disso, a contratação de serviços vinculados a coentas de redes sociais que tenham difundido mensagens negativas ou de menosprezo em relação a qualquer pessoa, entidade ou organização que tenha tido relação com o clube.

Continua após a publicidade

2 – I3 Ventures, provedor do clube, não tem nenhum vínculo com essas contas e, caso se demonstrasse qualquer tipo de relação, o clube rescindiria imediatamente sua relação contratual e exerceria ações legais oportunas em defesa de seus legítimos interesses.

3 – Ainda assim, o FC Barcelona confirma que tem contratados serviços de monitoração de redes sociais com o objetivo de ter conhecimento, tanto de mensagens positivas como negativos dos quais a entidade é objeto.

4 – Com a contratação destes serviços, o clube preza por proteger e preservar sua reputação, assim como das pessoas vinculadas ao clube (patrocinadores, jogadores, dirigentes, sócios, torcedores…), na medida que a proteção desta reputação é um elemento primordial e um dever irrenunciável para quem trabalha na entidade.

5 – O clube exige a retificação imediata das informações difundidas e se reserva ao direito de exercer ações legais oportunas contra quem siga implicando o clube neste tipo de práticas.

Publicidade