Clique e assine a partir de 9,90/mês

Barcelona venderá ‘naming rights’ do Camp Nou para combater o coronavírus

Acordo será válido por uma temporada e todo o montante arrecadado será destinado a pesquisas sobre a Covid-19

Por Da Redação - Atualizado em 21 Apr 2020, 11h27 - Publicado em 21 Apr 2020, 11h26

O Barcelona anunciou nesta terça-feira, 21, uma medida inédita em sua história com o intuito de combater a pandemia de coronavírus. O clube catalão venderá os naming rights do estádio Camp Nou, que jamais associou seu nome a uma marca desde sua inauguração, em 1957. O contrato será válido por uma temporada (2020/2021, cuja realização ainda é incerta) e o valor será revertido integralmente para pesquisas relacionadas à Covid-19.

A iniciativa divulgada pelo conselho executivo ainda precisa ser aprovada pela Assembleia Geral do clube não altera os planos do Barcelona de vender o nome de seu estádio em um contrato de longo prazo (25 anos, a princípio, a partir de 2023). Caso consiga um parceiro, em 2021 o estádio se chamará Camp Nou mais o nome da empresa compradora dos direitos.

“Estamos muito felizes por colocar em prática esta iniciativa que oferece algo tão emblemático quanto o nome do nosso estádio, para que instituições, organizações e empresas que se associem com ele possam contribuir para a luta contra a Covid-19”, afirmou Jordi Cardoner, vice-presidente do Barcelona e da Fundação Barça, entidade que ficará responsável pelas negociações.

De acordo com Cardoner, não há um valor mínimo para fechar negócio, nem restrições a empresas e fundações privadas. Parte do dinheiro arrecadado será usado em um projeto escolhido pelo parceiro no combate ao coronavírus, enquanto outra irá para iniciativas da mesma causa apoiadas pelo Barcelona.

Continua após a publicidade

A ação foi inspirada em outra exceção aberta pelo clube, a de não utilizar patrocinadores na camisa. Em 2006, o Barcelona passou a estampar a marca da Unicef e, anos depois, vendeu o espaço a outras marcas.

Publicidade