Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ascensão de jovens do Palmeiras tem mentor e maior investimento do país

O baiano Wesley Carvalho, comandante de um projeto vitorioso no sub-20, é um dos responsáveis pelo sucesso de Gabriel Menino, Patrick de Paula e cia

Por Klaus Richmond Atualizado em 7 jan 2021, 09h08 - Publicado em 7 jan 2021, 08h40

O sucesso das revelações da base do Palmeiras já parecia ter atingido a plenitude em 2 de dezembro do último ano, na vitória por 5 a 0 contra o Delfín, do Equador, pelas oitavas de final da Copa Libertadores da América. Na ocasião, todos os gols da partida tiveram a participação direta, com gols ou assistências, de jovens promessas do clube – Gabriel Verón marcou duas vezes, enquanto Patrick de Paula e Danilo uma cada. O desempenho da última terça-feira, 5, contra o River Plate, no entanto, foi o apogeu.

“O River Plate venceu sete jogos consecutivos em casa na Libertadores, marcando 20 gols e sofrendo apenas um. O Palmeiras acabou de esmagá-los por 3 a 0, na Argentina, para colocar um pé na final e dar um passo em direção ao Mundial de Clubes. Isto é uma máquina verde”, exaltou a Fifa em suas redes sociais.

A opção surpreendente do treinador português Abel Ferreira pelo trio Patrick de Paula, de 21 anos, Danilo, 19, e Gabriel Menino, 20, preterindo o já mais experiente Raphael Veiga, não foi inédita, mas uma experiência de sucesso do técnico do sub-20, Wesley Carvalho, dois anos antes.

“A expectativa [com o trio] era grande por já terem passado pelo mesmo processo numa categoria menor e terem assumido o protagonismo, como está acontecendo agora. O jogo lembrou a final do Paulista sub-20 de 2019, onde o meio de campo foi formado pelos mesmos três que começaram como titulares contra o River Plate”, disse Carvalho a PLACAR.

Gabriel Veron, Gabriel Menino e Patrick de Paula -
Gabriel Veron, Gabriel Menino e Patrick de Paula – Divulgação/S.E. Palmeiras

No jogo em questão, Carvalho confiou nos jogadores para reverter uma desvantagem considerada improvável. Após perder o primeiro jogo da final do estadual por 2 a 0 para o Red Bull Brasil, no Pacaembu, restava arriscar. Uma atuação inspirada de Gabriel Verón e taticamente perfeita do trio impulsionou o time a vencer por 3 a 0, em Bragança Paulista, com um gol marcado no último minuto.

“Fico feliz pelo reconhecimento, porém, é importante lembrar que a formação de um atleta é construída em várias etapas. Muitos profissionais, direta ou indiretamente, fizeram e fazem parte desta construção”, afirma. Contratado sem grife pelo clube em 2017, o técnico baiano é visto nos bastidores como um dos maiores responsáveis por moldar as promessas em ascensão.

  • Como jogador, Wesley Carvalho teve curta carreira de goleiro. Era reserva de Dida, na Copa São Paulo de 1993, mas acabou abandonando precocemente a carreira devido a pouca projeção e dificuldade em receber salários em dia, aos 25 anos. Trabalhou por quase vinte anos na base do clube baiano antes de chegar a São Paulo.

    “O processo já estava em andamento e culminou de em 2019 ser dada a tão esperada oportunidade para os garotos. Eles não decepcionaram, isso resultou nestas grandes descobertas, que, para nós, não foram muito surpreendentes, pois já tínhamos uma grande expectativa por acreditar no trabalho desenvolvido pelo clube e que seria apenas questão de tempo para estourarem”, explica Carvalho.

    Para ver Gabriel Menino, Danilo e Patrick de Paula comandarem o meio de campo como veteranos, o Palmeiras precisou mudar drasticamente. Se em 2015, com dinheiro farto da patrocinadora Crefisa e a chegada de Alexandre Mattos, que contratou mais 21 jogadores, esse ano trouxe apenas o lateral-esquerdo Matías Viña e o atacante Rony, ambos titulares.

    Continua após a publicidade
    Os jogadores Gabriel Menino, Patrick de Paula, Gabriel Veron, Lucas Esteves, Wesley e Alan, preparam-se para o jogo contra o Atlético Nacional, durante a Flórida Cup, no Orlando City Stadium -
    Os jogadores Gabriel Menino, Patrick de Paula, Gabriel Veron, Lucas Esteves, Wesley e Alan, preparam-se para o jogo contra o Atlético Nacional, durante a Flórida Cup, no Orlando City Stadium – Cesar Greco/S.E. Palmeiras

    A reformulação palmeirense também passou pelo fim da política de vender precocemente. Há menos de dois anos, o clube anunciava a venda de Luan Cândido para o Red Bull Leipzig, da Alemanha, por 10 milhões de euros (43 milhões de reais à época). O jogador sequer havia subido para a equipe profissional. Em 2018, fez o mesmo com o atacante Fernando, negociado com o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, por 5,5 milhões de euros (24 milhões de reais à época), com 15% sobre venda futura.

    De acordo com levantamento da EY, divulgado pelo Blog do Rodrigo Mattos, o Palmeiras foi o clube que mais investiu em base nos últimos cinco anos. A projeção de 123 milhões de reais, pouco superior ao do São Paulo, de 119 milhões, atual líder do Campeonato Brasileiro.

    A resposta veio com o surgimento de conquistas e nomes em potencial. Em 2018, a geração do trio que brilhou na Argentina ajudou o clube a conquistar parte dos 22 títulos, um recorde em um só ano, entre eles o Brasileiro e o Paulista sub-20. O sub-17 ainda venceu o Mundial de Clubes, disputado na Espanha.

    Pela partida na Argentina, a Fifa ainda exaltou o lance plástico de Gabriel Menino, projetando um possível encontro com o canadense Alphoso Davies, destaque do Bayern de Munique, último vencedor da Liga dos Campeões. “O menino pode brincar. O menino pode jogar muito, muito bem. Será que Gabriel Menino emocionará ao lado de outro prodígio de 20 anos no Mundial de Clubes?”.

    “O Gabriel Menino é um atleta fora da curva, pois dispõe de grandes qualidades técnicas, físicas e táticas, além de atuar nos três setores da equipe: defesa, meio e ataque. Tem capacidades para mudar um jogo e muito potencial”, elogia o técnico. O jovem de 20 anos já chegou a ser convocado por Tite para a seleção adulta, como lateral.

    Se em 2016 Gabriel Jesus era quase um “intruso” em meio a série de contratações badaladas, agora tudo mudou. A menina dos olhos atende por base e Wesley Carvalho é parte essencial disso.

    O técnico Wesley Carvalho, do Palmeiras, comandando a equipe como internino -
    O técnico Wesley Carvalho, do Palmeiras, comandando a equipe como internino – Cesar Greco/S.E. Palmeiras
    Continua após a publicidade
    Publicidade