Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Árbitro de Inter x Santos é hostilizado e bate boca em aeroporto

Ofendido por ter anulado gol da equipe gaúcha, Ricardo Marques Ribeiro pediu respeito e ameaçou chamar a polícia no aeroporto Salgado Filho

Por Da redação Atualizado em 23 out 2018, 18h52 - Publicado em 23 out 2018, 17h45

O árbitro Ricardo Marques Ribeiro, que na noite anterior discutiu com dirigentes do Inter por ter anulado um gol da equipe gaúcha no empate em 2 a 2 com o Santos, se envolveu em mais um bate-boca nesta terça-feira, no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre. Hostilizado por um torcedor colorado, o juiz mineiro pediu “respeito” e ameaçou chamar a Polícia Federal.

  • Um vídeo divulgado no Twitter pelo repórter Thiago Rocha, da Rádio Gre-Nal, mostra Ricardo Marques gritando com o torcedor na sala de embarque. “Você me respeita, fica quieto. Vou chamar a (Polícia) Federal para o senhor. (…) Me respeita que eu não sou moleque.” O torcedor afirma que o árbitro fez “a maior vergonha do mundo inteiro” e o juiz rebate. “E você está pagando de bobo, olha o papelão que está fazendo.”

    O Internacional reclama especialmente de um gol de Leandro Damião, anulado por impedimento depois de oito minutos de debate entre o sexteto de arbitragem. O SporTV confirmou na transmissão que não passou o replay do lance para não influenciar a decisão de Ricardo Marques, que ao final da partida discutiu com o diretor de futebol do Internacional, Rodrigo Caetano. Na súmula da partida, ele relatou que foi chamado de “safado”.

    “Quando o sexteto de arbitragem se dirigia para o vestiário e passando pela zona mista, fomos abordados pelo sr. Rodrigo Vilaverde Caetano, gerente executivo de futebol do S. C. Internacional, que proferiu, em tom agressivo, as seguintes palavras: ‘Vocês vão parar por que? Vocês decidiram o campeonato, erraram feio, seu safado, absurdo o que vocês fizeram aqui hoje'”, escreveu. “Respondi em alto e bom som e repetidas vezes, com as seguintes palavras: ‘Você me respeita, respeite a minha instituição. Eu nunca faltei com respeito a você. Eu exijo respeito, por favor, respeito’.”

    Continua após a publicidade

     

     

     

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade