Clique e assine a partir de 9,90/mês

Após queda para o Botafogo, Carpegiani é demitido pelo Flamengo

Técnico deixa o clube com 70,58% de aproveitamento, mas não resistiu à eliminação no Campeonato Carioca; diretor de futebol também é demitido

Por André Siqueira - 29 mar 2018, 19h20

Paulo César Carpegiani não é mais o treinador do Flamengo. A demissão foi confirmada na tarde desta quinta-feira, 29, pelo clube e ocorre um dia após a eliminação pelo Botafogo na semifinal do Campeonato Carioca. Ele deixa o time com 70,58% de aproveitamento – em 17 jogos, venceu 11, empatou três e foi derrotado em outros três.

Esta foi a terceira passagem de Carpegiani pelo comando do Flamengo. Em 1981, já aposentado como atleta, comandou o time carioca nas campanhas que resultaram nos títulos da Libertadores e do Mundial de Clubes. O retorno à Gávea ocorreu em 2000, quando sua equipe foi finalista da Taça Guanabara. O resultado foi aquém das expectativas – derrota por 5 a 1 para o Vasco de Romário – e a demissão, uma consequência.

A terceira passagem como técnico do Flamengo iniciou-se em 8 de janeiro de 2018. Desta vez, Carpegiani foi contratado como gestor, para atuar nos bastidores da equipe. A promoção ao cargo de treinador ocorreu quando Reinaldo Rueda trocou o Rio de Janeiro por Santiago, no Chile, para assumir a seleção nacional. Na época, a cúpula flamenguista assegurou que Carpegiani voltaria à sua função de origem, caso não obtivesse bons resultados. Três meses após sua contratação, a promessa não se concretizou e eler não é mais funcionário do clube.

”O treinador possui seu nome marcado na história rubro-negra como comandante da equipe que conquistou a Libertadores da América e o Mundial de Clubes, em 1981, e o Campeonato Brasileiro de 1982. O Flamengo será sempre grato por sua enorme contribuição ao clube e deseja sucesso na sequência de sua carreira”, diz a nota oficial, publicada no site do clube.

Continua após a publicidade

Direção do futebol

Quem também deixou o Flamengo foi o diretor de futebol, Rodrigo Caetano. O dirigente estava no clube desde 2014, quando assumiu o projeto de profissionalizar o departamento. A demissão também ocorreu na tarde desta quinta-feira. Em nota, o Flamengo também agradeceu o trabalho Caetano e desejou ”sucesso ao profissional na sequência da carreira”. 

Publicidade