Clique e assine a partir de 9,90/mês

Após críticas, Tottenham volta atrás sobre dispensa de funcionários

Clube inglês havia sido o primeiro da Premier League a recorrer ao governo para pagar salários dos funcionários

Por Da Redação - Atualizado em 13 Apr 2020, 13h02 - Publicado em 13 Apr 2020, 12h49

Após receber muitas críticas de seus próprios torcedores, o Tottenham decidiu retomar o pagamento integral de seus funcionários, desistindo da ideia, portanto, de recorrer ao governo britânico para honrar os compromissos. O clube anunciou a decisão em nota oficial divulgada no início da tarde desta segunda-feira 13.

No final de março, o Tottenham havia sido o primeiro clube da Premier League a participar de um programa do governo do Reino Unido para ajudar as empresas a pagar os salários enquanto durar a pandemia de coronavírus. Cerca de 550 funcionários das mais diversas áreas – excluindo os jogadores, claro – foram colocados em licença não-remunerada, tendo 80% de seus vencimentos pagos pelo poder público.

O clube foi muito criticado, entre outros motivos, por ser uma das agremiações com maiores lucros no país. O balanço da última temporada registrou um lucro de 69 milhões de euros. A manobra é permitida no Reino Unido para auxiliar as empresas durante o período de parada e o governo assume uma parte do salário do empregado que não estiver trabalhando.

Na nota oficial divulgado pela equipe londrina, o presidente da agremiação, Daniel Levy, explica porque resolveu voltar atrás. “As críticas que o clube recebeu na semana passada foram sentidas com mais intensidade por causa do nosso histórico de boas ações e do nosso enorme senso de responsabilidade de cuidar daqueles que confiam em nós, principalmente localmente. Nunca foi nossa intenção fazer outra coisa senão implementar medidas para proteger os empregos, enquanto o clube procurava continuar a operar de maneira autossuficiente em momentos incertos”.

Continua após a publicidade

O documento também revela que o Tottenham colocou o seu novíssimo estádio, inaugurado no ano passado, à disposição para realizar testes da Covid-19. Caso seja utilizado, será o primeiro campo de jogo de um time da Premier League a ser utilizado no combate à doença. Com atraso, a equipe londrina se junta a outros clubes ingleses, como o Manchester United, que já cederam sua infraestrutura em prol da saúde pública.

O Tottenham já havia se envolvido em uma outra polêmica na semana passada. O técnico José Mourinho reuniu três jogadores do elenco que moram em Londres para realizar um treinamento em um parque próximo ao centro de treinamento da equipe. O clube repreendeu os quatro depois que as fotos viralizaram nas redes sociais, mas não divulgou se houve alguma punição para os envolvidos na atividade.

Publicidade