Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ancelotti diz que meia do PSG usou Barcelona para ganhar aumento

Dias antes de reencontro, treinador do Bayern de Munique afirmou que Marco Verratti "ameaçou" deixar equipe francesa para forçar valorização

Carlo Ancelotti, atual treinador do Bayern de Munique, vai reencontrar o Paris Saint-Germain, clube que treinou entre 2012 e 2013, nesta quarta-feira, pela Liga dos Campeões. O experiente técnico italiano analisou o atual momento do clube francês e não se esquivou de assuntos espinhosos, como o impacto da chegada de Neymar e o comportamento de seu compatriota Marco Verratti durante a última janela de transferências.

Há anos, Verratti é tratado como provável reforço do Barcelona e, no meio deste ano, a negociação parecia bem próxima de um desfecho, mas o meia italiano permaneceu no PSG.  Para Ancelotti, o jogador “usou” o Barcelona para se valorizar no clube francês. “Às vezes, atitudes como a dele me incomodam. Durante a janela de transferência, muitos jogadores demonstram querer sair, mas não sei se eles realmente querem ou apenas usam isso para melhorar seu contrato. No caso do Verratti, conheço ele e queria apenas um aumento”, cravou, em entrevista ao jornal francês Le Figaro.

Ancelotti considera o PSG um dos principais clubes do continente, mas ressaltou que ainda não está no nível do Bayern de Munique.  “Aqui nós já temos a nossa identidade e o Paris Saint-Germain ainda procura a deles. Mas Paris já está no nível dos melhores. Quando um clube compra jogadores a esse preço e a esse nível, tem que ter tempo para entrar na mentalidade da equipe. Esse é o desafio deles. Com Neymar e Mbappé tende a ser diferente, mas eles não me assustam. Tenho respeito pelo clube e admiro todo o coletivo, dois ou três jogadores não ganham um título sozinhos”.

A vida extra-campo do PSG é tema dos noticiários esportivos, principalmente depois da polêmica envolvendo Neymar e Cavani. Para Ancelotti, o tratamento com os atletas é a parte mais difícil do trabalho de treinador. “O gerenciamento do elenco é a parte mais complicada. Você tem que motivá-los todos os dias, porque o psicológico é mais difícil que o técnico e o tático. Naquele momento do diálogo, se trata de uma pessoa, não de um atleta, e isso é essencial saber diferenciar.” O confronto entre PSG e Bayern, no Parque dos Príncipes, começa às 15h45 (de Brasília). 

(Com Gazeta Press)