Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
CLIQUE E RECEBA A REVISTA EM CASA A PARTIR DE R$14,90/MÊS Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90

Amor ao Espanyol, dispensa e reconhecimento tardio: quem é Gerard Moreno

Herói da campanha do Villarreal na Liga Europa, com sete gols, atacante foi protagonista da final contra o United e teve temporada avassaladora aos 29 anos

Por Da Redação Atualizado em 27 Maio 2021, 10h59 - Publicado em 27 Maio 2021, 10h31

O oportunismo decisivo de Gerard Moreno, 29 anos, para se atirar e desviar de raspão, com a ponta do pé direito, o cruzamento de Dani Parejo, aos 28 minutos e 55 segundos do primeiro tempo, abriu caminho para a construção de um feito histórico e inédito para o Villarreal, campeão da Liga Europa nos pênaltis, contra o Manchester United, em Gdansk, na Polônia.

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

O feito coroou definitivamente o Submarino Amarelo, mas, também, um herói curiosamente atípico, de cicatriz vistosa no queixo, além de outras marcas superadas pouco conhecidas.

Moreno hoje é titular da seleção espanhola e o homem de 100 milhões de euros (645 milhões de reais) – valor de sua cláusula rescisória – desejado por Diego Simeone, técnico do atual campeão espanhol Atletico de Madrid, mas passou por trajetória difícil até o feito. Ao final da partida, fez menção ao esforço.

“Foi um sonho que se tornou realidade. Nesse momento nos lembramos de todo trabalho que fizemos para chegar até aqui”, disse, em entrevista ao site da Uefa.

  • Nascido em Santa Perpètua de Mogoda, província de Barcelona, Moreno vem de família entranhada no futebol. O pai e o irmão perambularam por divisões inferiores e pelo futebol amador da Espanha. A cicatriz é uma marca que carrega de um acidente, em uma tentativa de buscar uma bola presa a rede, caiu e se enganchou a um dos ferros. Precisou tomar pontos.

    Torcedor do Espanyol e fã incondicional de Raul Tamudo, maior artilheiro da história do clube, com 129 gols, deu os seus primeiros passos no clube de coração, na hoje chamada Ciutat Esportiva Dani Jarque. Conta que, na época, rejeitou uma proposta do Real Madrid. Precisou, porém, lidar com uma dispensa aos 15 anos.

    “Quando você é pequeno, é uma pena ter que sair do clube. Você tem dificuldade em entender, embora eu tenha aceitado muito bem. Meus pais e meu irmão já estavam me preparando mentalmente para que a situação não me pegasse de surpresa”, contou em entrevista em 27 de fevereiro de 2018 ao El País.

    Jogadores do Villareal erguem a taça do título da Liga Europa -
    Jogadores do Villareal erguem a taça do título da Liga Europa – Janek Skarzynski/AFP

    Visto como desajeitado e classificado como um típico jogador de rua, pelo modo como brigava por cada jogada mesmo em treinamentos, rumou para o CF Badalona, clube atualmente na terceira divisão da Espanha, sediado em uma comunidade autônoma na Catalunha, antes da chegada ao Villarreal. O pai era o principal conselheiro.

    Continua após a publicidade

    “Ele não era o pai típico que diz que você faz tudo certo ou aquele que apenas aponta as suas falhas. Ele queria que eu nunca baixasse a guarda”, explicou Moreno, na mesma entrevista.

    No Villarreal, o caminho foi longo. Chegou a equipe sub-19, em 2010, passou pelo time C, foi promovido ao B até o principal. Estreou na temporada 2012/2013, a pior do clube nos últimos anos, na segunda divisão espanhola. Precisou sair até, de fato, ser enxergado.

    No Mallorca, a primeira aventura como profissional, formou dupla com Marco Asensio, hoje nome consolidado no Real Madrid. Marcou 12 gols em 32 partidas, livrando a equipe do rebaixamento. Voltou ao Villarreal por suas primeiras oportunidades.

    Com a camisa 23, ganhou espaço, melhorando a marca para 16 gols na temporada. Foi quando o Espanyol bateu novamente a sua porta, em 2015. Vendido por apenas 1,5 milhão de euros, logo na chegada beijou o símbolo do clube e disse ter um sentimento diferente ao voltar.

    Em campo pelo Espanyol, contra o Valencia, em abril de 2018 -
    Em campo pelo Espanyol, contra o Valencia, em abril de 2018 – Quality Sport Images/Getty Images

    “Fui ao estádio como um gandula, vi Raul Tamudo jogar, e tinha o sonho de estrear no time titular porque sou daqui, de casa. É o que sinto e é por isso que beijei o escudo”, disse em 29 de abril de 2017, ao jornal El Mundo.

    Na temporada 2017/2018, viu a chance de retornar para o Villarreal, em alta, por 20 milhões de euros, para costurar um momento diferente na carreira, o de protagonista. Vive na atual temporada a melhor da carreira, responsável por 30 gols em 46 partidas, além da artilharia da Liga Europa, com sete gols.

    Em La Liga, terminou a competição com o Prêmio Zarra, dado ao maior artilheiro espanhol na competição pela segunda temporada consecutiva. Foram 23 gols e sete assistências diretas para companheiros.

    “O clube está fazendo um grande esforço para trazer ótimos jogadores. Emery é muito próximo do elenco, ele gosta de conversar bastante, ele vive o futebol. Ele demonstra toda a paixão que tem pelo que faz, e isso é contagiante. Queremos ser aguerridos e competitivos. Espero que possamos mostrar isso dentro de campo”.

    Aos 29 anos e, enfim, com o talento reconhecido, Moreno chega motivado para a disputa da sua primeira Eurocopa. Acostumado a contrariar expectativas negativas, ninguém mais duvida, agora, o quanto pode ser decisivo para a Espanha.

    Continua após a publicidade
    Publicidade