Clique e assine a partir de 9,90/mês

A história da Recopa Sul-Americana, o título que falta ao Flamengo

Rubro-negro disputa pela primeira vez a competição criada em 1989, descontinuada entre 1998 e 2003, e que já foi realizada até no Japão

Por Alexandre Senechal - Atualizado em 19 fev 2020, 20h39 - Publicado em 18 fev 2020, 23h12

Copa, Supercopa e, agora, a Recopa. O Flamengo pode garantir já na próxima semana uma nova taça para seu memorial. O time comandado pelo técnico Jorge Jesus, que nesta quarta-feira 19 disputará o jogo de ida da Recopa Sul-Americana, contra o Independiente Del Valle, do Equador, nunca disputou o torneio que põe frente a frente os melhores times do continente no ano anterior.

Recopa Sul-Americana é só no DAZN: clique aqui para assinar o serviço de streaming e assistir ao confronto entre Flamengo x Independiente Del Valle, do Equador

Há 38 anos, quando o rubro-negro venceu a Libertadores pela primeira vez, a competição não existia (surgiu oito anos mais tarde, em 1989, e reunia os vencedores da Libertadores e da Supercopa dos Campeões da Libertadores – competição, como o nome explica, que contava apenas com o seleto grupo dos times com conquistas continentais).

PLACAR relembra abaixo grandes momentos da competição:

Continua após a publicidade

No começo valia (quase) tudo

Com jovens promessas como Juninho Paulista, Caio Ribeiro, Guilherme e Euller, o São Paulo venceu a Recopa de 1994, cuja final foi disputada no… Japão Jiro Mochizuki/Placar

Hoje decidida em jogos ida e volta, com o campeão da Libertadores fazendo o último jogo em casa, a Recopa chegou a ser disputada em jogo único e até teve finais fora do continente, nos Estados Unidos e no Japão. Com o final da Supercopa dos Campeões da Libertadores em 1997, a competição não aconteceu entre 1999 e 2002, mas voltou a ser realizada com o surgimento da Copa Sul-Americana.

O Nacional-URU superou o Racing-ARG na primeira final em 1989, após vencer por 1 a 0 em casa e empatar sem gols fora. O São Paulo foi o primeiro brasileiro a ficar com o título quatro anos mais tarde. A equipe de Telê Santana, que tinha o lateral-direito Cafu como camisa 10, empatou duas vezes por 0 a 0 com o Cruzeiro, de um ainda jovem atacante chamado Ronaldinho, e ficou com a taça depois da disputa por pênaltis, no Mineirão.

Continua após a publicidade

Grêmio, o último campeão do Brasil

O Grêmio, campeão da América em 2017, levantou o troféu no ano seguinte, vencendo o Independiente, da Argentina Gabriel Rossi/Getty Images

Em 2018, o Grêmio venceu o Independiente-ARG também nos pênaltis, depois de empatar por 1 a 1 nas duas partidas, e foi o último time do país a conquistar a Recopa – já havia levantado esse troféu em 1996. Além do Tricolor paulista e gaúcho, outras cinco equipes brasileiras já conquistaram o torneio: Cruzeiro (1998), Internacional (2007 e 2011), Santos (2012), Corinthians (2013) e Atlético Mineiro (2014).

Na última decisão, ano passado, o Athletico Paranaense até venceu na Arena da Baixada por 1 a 0, mas perdeu por 3 a 0 para o River Plate, na Argentina, e ficou com o vice.

Publicidade