Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Publicidade

Notícias sobre Escola

A educação poderá avançar muito se, em vez de políticas baseadas em crenças ou "consensos", passarmos a adotar políticas baseadas em evidências científicas.
É mais relevante o professor ter um bom nível acadêmico geral e conhecer bem o conteúdo que leciona do que ter títulos de mestrado e doutorado.
Dado o caráter explosivo da pergunta, procuramos responder, como sempre, com base nas evidências. Dados conflitam com o senso comum.   
Os bate-papos coletivos no aplicativo estão cada vez mais ruidosos e interferem no ambiente escolar. Entenda como gestores e pais procuram o equilíbrio
Não existe bala de prata. O tempo integral – qualquer que seja a sua definição – não vem afetando significativamente o desempenho dos alunos.
No Brasil, escola em tempo integral é sempre vista como um dos principais fatores de melhoria do desempenho escolar. O que as evidências mostram sobre isso?
Devemos gastar de maneira adequada e prudente em educação, sem esperar que aumento de gastos se revertam automaticamente em melhor desempenho.
Municípios que "perderam" recursos com o Fundeb tiveram uma piora de desempenho? E os que "ganharam" mais recursos tiveram uma melhora de desempenho?
O custo de vida é diferente em diferentes municípios, e é pouco produtiva a ideia de estabelecer um custo-padrão para a educação.
As evidências mostram que só recursos não garantem o desempenho. Isso vale tanto para os municípios que gastam muito quanto para os que gastam pouco.
Publicidade