Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Zoológico japonês mata 57 macacos por terem “gene exótico”

Lei japonesa proíbe a posse e o transporte de animais não provenientes da região

Por Da redação - Atualizado em 21 fev 2017, 18h27 - Publicado em 21 fev 2017, 18h14

Um zoológico do Japão sacrificou 57 macacos da neve com injeções letais depois de descobrir que os animais carregavam genes do macaco-rhesus, espécie proibida no país.

As leis japonesas proíbem a posse e o transporte de animais exóticos, entre eles o macaco-rhesus, incluindo os animais frutos de cruzamento, como era o caso dos macacos híbridos sacrificados no zoológico de Chiba, nos arredores de Tóquio.

Provenientes do Japão, os macacos da neve são uma das maiores atrações turísticas do país. O macaco-rhesus é considerado uma espécie exótica na região, pois são originários da Ásia Central, do Afeganistão à Índia e da Tailândia ao sul da China.

De acordo com a rede britânica BBC, um oficial local alegou que os animais foram mortos para proteger o meio ambiente. Segundo um funcionário do Escritório para a Gestão de Espécies Exóticas, a eliminação era inevitável porque temia-se que os animais escapassem e se reproduzissem na natureza – causando um desequilíbrio do ecossistema local.

Publicidade

Junkichi Mima, porta-voz do grupo de conservação WWF Japão, afirmou que espécies invasoras causam problemas “pois misturam-se com animais nativas e ameaçam o ambiente natural e o ecossistema”.

Um funcionário do zoológico construiu um memorial para os macacos da neve sacrificados em um templo budista nas proximidades.

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade
Publicidade