Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Zona de defesa aérea chinesa é inaceitável, diz Japão

EUA também criticam a alteração da zona de segurança aérea da China

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, falou nesta segunda-feira sobre a nova zona de defesa antiaérea e de identificação obrigatória de aeronaves da China, anunciada neste sábado. A área inclui uma cadeia de ilhas também reivindicadas pelo Japão, o que levou Tóquio a protestar contra a medida. De acordo com Abe, a alteração da zona de defesa aérea da China é inaceitável e agrava uma situação que já é tensa entre os países.

“As medidas chinesas não têm nenhuma validade sobre o Japão e exigimos que a China revogue quaisquer ações que poderiam infringir a liberdade de voo no espaço aéreo internacional”, afirmou Abe durante uma sessão da Câmara Alta japonesa. O primeiro-ministro disse ainda que as medidas impõem regras definidas pelo exército chinês e violam a liberdade de voar acima do mar aberto, um direito assegurado por lei internacional.

Leia também

Incursões marítimas chinesas ameaçam paz, diz Japão

Premiê japonês diz que não vai ceder em disputa por ilhas

Yang Yujun, porta-voz do Ministério da Defesa Nacional da China, disse que a reação do Japão foi “absolutamente infundada e inaceitável”. “Exigimos fortemente que o lado japonês suspenda todos os movimentos que minam a soberania territorial da China, bem como observações irresponsáveis ​​que desencaminham opiniões internacionais e criam tensões regionais”, disse Yang. O porta-voz também pediu que os EUA “respeitem a segurança nacional da China e parem de fazer comentários irresponsáveis ​​sobre o Mar da China Oriental e a zona de defesa aérea da chinesa”.

Histórico – As Ilhas Senkaku – chamadas de Diaoyu pelos chineses – estão situadas no Mar da China Oriental, a 200 quilômetros a nordeste da costa de Taiwan – que também reivindica o arquipélago – e 400 quilômetros a oeste de Okinawa, no sul do Japão.

As relações entre Japão e China passam por uma crise devido à disputa pelas ilhas. Em setembro de 2012, o Japão comprou o arquipélago de proprietário japonês, o que provocou a ira de Pequim e motivou violentos protestos em várias cidades da China.

O desabitado arquipélago Senkaku/Diaoyu é composto por cinco ilhotas e três rochas. A área é importante rota e habitat de cardumes e por isso é frequentada por navios pesqueiros do Japão. Acredita-se, além disso, que a região na qual se encontram as ilhas possa abrigar grandes reservas de gás.

(Com Estadão Conteúdo)