Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Zemmour, de extrema direita, lança candidatura à presidência da França

Especialistas afirmam que Eric Zemmour faz Marine Le Pen parecer “razoável”

Por Da Redação Atualizado em 30 nov 2021, 19h02 - Publicado em 30 nov 2021, 15h30

O comentarista Eric Zemmour, 63 anos, anunciou nesta terça-feira (30) que irá concorrer nas eleições presidenciais da França em 2022.

Com isso, ele torna-se o candidato de extrema-direita na disputa, além de Marine Le Pen

As eleições na França estão marcadas para os dias 10 e 24 de abril de 2022 e têm como favorito o atual presidente do país, Emmanuel Macron.

De acordo com as pesquisas de opinião em setembro e outubro, Zemmour ocupa a terceira posição no primeiro turno da eleição, atrás de Macron e Le Pen. 

Analistas dizem que a entrada de Zemmour pode favorecer Le Pen, fazendo-a parecer mais razoável.

Em vídeo de nove minutos divulgado no Youtube, Zemmour defendeu uma política contra imigrantes e afirmou que a França precisa ser salva do declínio.

Ele é também o concorrente mais anti-islã e anti-imigrante do pleito. “Não é mais hora de reformar a França, mas de salvá-la”, afirmou o novo candidato. 

Continua após a publicidade

Zemmour disse ainda que está concorrendo “para que as nossas filhas não tenham que usar lenço na cabeça e os nossos filhos não tenham que ser submissos”.

“A imigração não é a causa de todos os nossos problemas, mas agrava a todos”, acrescentou. 

O curioso é que Zemmour é filho de imigrantes judeus argelinos, que foram para a França. 

Ele falou também que a antiga França, de Joana d’Arc e Luís XIV,  ” estava desaparecendo “. O vídeo também mostra cenas de violência e desordem no país, comparadas com um suposto passado idílico. 

Entre as promessas de campanha, Zemmour propõe banir os estudos de gênero das escolas francesas, reduzir a dívida pública e reconquistar a soberania da França “de tecnocratas e juízes europeus”.

Zemmour é um dos comentadores mais conhecidos do país. Ele escreveu um famoso best-seller em que afirma que a França pode ser “colonizada” por muçulmanos. 

Na semana passada, uma revista da França publicou que Zemmour é pai de um bebê com sua conselheira-chefe, Sarah Knafo. Zemmour não negou, e disse que isso era uma invasão de privacidade.

Continua após a publicidade

Publicidade