Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Zelensky renova apelo para Ucrânia aderir à UE, citando ‘palavras vazias’

Conforme a guerra testa a resistência das forças russas e ucranianas, presidente Volodymyr Zelensky diz que apoio da Europa deve ser traduzido em ações

Por Da Redação 10 jun 2022, 09h48

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse nesta sexta-feira, 10, que expressões de solidariedade da Europa em relação ao seu país devem ser seguidas de ação – mais especificamente, a aceitação formal da candidatura de seu país para ingressar na União Europeia.

“Isso provará que as palavras sobre a Ucrânia ser parte da família europeia não são apenas palavras”, disse ele em um discurso virtual na Cúpula da Democracia de Copenhague, reunião anual de líderes políticos e empresariais de todo o mundo.

Segundo Zelensky, a Ucrânia não deve ser forçada a permanecer em uma “zona cinzenta”, presa entre a perspectiva de um futuro melhor dentro da União Europeia e a ameaça contínua de Moscou.

O apelo não é inédito. No entanto, o contexto é diferente. A guerra contra a Rússia está cobrando um preço cada vez maior da Ucrânia, e tudo indica que o conflito vai se estender ainda mais. A expectativa é que os 27 membros do bloco considerem o pedido de candidatura nas próximas semanas.

A entrada da Ucrânia na União Europeia é controversa, apesar do apoio moral, militar e humanitário cedido a Kiev pelos líderes do continente, e apesar de Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, ter dito em fevereiro que a Ucrânia era “um de nós e queremos que eles na União Europeia”.

Nenhum país entrou no bloco desde a Croácia, em 2013 — reflexo do caminho longo para a adesão. Mesmo que a candidatura da Ucrânia fosse aceita, o processo até se tornar um membro pleno poderia levar anos.

+ Ucrânia dá próximo passo para entrar na UE e pode virar candidata a membro

Após os comentários de Zelensky, Roberta Metsola, a presidente do Parlamento Europeu, disse que a forma como o continente está lidando com a guerra seria julgada nos próximos anos, e que deve demonstrar sua determinação. “Na Europa, sabemos o custo do apaziguamento”, disse ela na cúpula de Copenhague. “Sabemos o peso das paredes e cortinas de ferro.”

Continua após a publicidade

Ela disse que, embora os Estados Unidos, a Europa e outros aliados tenham se unido em apoio à Ucrânia, o verdadeiro teste virá à medida que os custos da guerra crescerem e a atenção do público diminuir.

“Em última análise, [Vladimir] Putin está olhando para o mundo, esperando que vacilemos primeiro”, disse Metsola sobre o presidente da Rússia. “Mas não podemos fazer isso.”

Segundo ela, assim como a guerra em si é agora uma disputa de resistência e “quem consegue aguentar mais tempo”, manter o apoio político unido à Ucrânia exigirá firmeza e a capacidade de manter o foco nas apostas de longo prazo.

Um dia depois que Putin se comparou com Pedro, o Grande, o imperador russo do século 18 – dizendo que estava envolvido em uma luta semelhante para reconquistar terras que ele vê como legitimamente russas – tanto Zelensky quanto Metsola disseram que era hora de levar a sério essas posturas agressivas.

“O agressor deve sentir a pressão do mundo democrático quando lançar suas ameaças”, disse Zelensky. “Devemos aprender a agir preventivamente e não apenas de forma responsiva.”

Metsola também citou um “perigo real, claro e presente” que as forças de Putin apresentam.

“Putin não parou na Crimeia”, disse Metsola, referindo-se à anexação da península ucraniana pelo líder russo em 2014. Da mesma forma, quando soldados russos falharam em capturar a capital da Ucrânia no conflito atual, ela afirmou: “Ele não teria parado em Kiev”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)