Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Zelensky afirma estar pronto para negociar com Vladimir Putin

O presidente da Ucrânia diz que se a tentativa de negociação entre os dois países falhar isso acarretará em "uma terceira guerra mundial"

Por Sofia Cerqueira Atualizado em 20 mar 2022, 16h54 - Publicado em 20 mar 2022, 11h23

No 24º dia após o exército russo iniciar os ataques ao território ucraniano, o presidente Volodymyr Zelensky declarou neste domingo, 20, que está pronto para negociar com o presidente russo, Vladimir Putin. O líder ucraniano, no entanto, fez um alerta. Afirmou que, se qualquer tentativa de negociação falhar, isso poderá significar que a luta entre os dois países acarretará em “uma terceira guerra mundial”.

Em entrevista à rede de televisão CNN, o Zelensky foi enfático: “Estou pronto para negociações com ele. Eu estava pronto nos últimos dois anos. E acho que sem negociações não podemos acabar com esta guerra”, disse o líder ucraniano, que se mantém no país desde o princípio da ofensiva das forças de Vladimir Putin. “Se houver apenas 1% de chance de pararmos essa guerra, acho que precisamos aproveitar essa chance. Precisamos fazer isso. Posso falar sobre o resultado dessas negociações, mas de qualquer forma, estamos perdendo pessoas diariamente, pessoas inocentes no terreno”, acrescentou Zelensky.

Embora o número de mortos no confronto entre a Rússia e a Ucrânia sejam imprecisos devido à dificuldade dos governos e os organismos internacionais contabilizarem as perdas, a Organização das Nações Unidas (ONU) calculou que até o último dia 16 já tinham morrido 726 civis e pelo menos 1 300 soldados ucranianos. De acordo com o governo ucraniano, seriam 2 300 civis ucranianos só em Mariupol, fortemente atacada nas últimas horas pelo exército de Putin, e 498 soldados russos.

Em meio a este cenário desolador, o presidente da Ucrânia ainda declarou:  “As forças russas vieram para nos exterminar, para nos matar. E podemos demonstrar que a dignidade de nosso povo e nosso exército que somos capazes de desferir um golpe poderoso, somos capazes de contra-atacar. Mas, infelizmente, nossa dignidade não vai preservar as vidas. Então, eu acho que a gente tem que usar qualquer formato, qualquer chance para ter possibilidade de negociação, possibilidade de falar com Putin. Mas se essas tentativas falharem, isso significaria que esta é uma terceira guerra mundial”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)