Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Zelenski deve conquistar a maioria do parlamento da Ucrânia

Com promessas de reformas e cessar-fogo com a Rússia, presidente ucraniano não precisará se aliar a partidos tradicionais para governar

Por Redação Atualizado em 22 jul 2019, 15h21 - Publicado em 22 jul 2019, 15h08

Com 70% das urnas apuradas na eleição legislativa da Ucrânia, o ex-comediante e agora presidente, Volodimir Zelenski, está prestes a conquistar a maioria das cadeiras no Parlamento e evitar coalizões com outros partes. Até o momento, o partido Servo do Povo — nome de seu programa de televisão — obteve 44,6% dos votos. As projeções de vários meios de comunicação ucranianos mostram que poderá obter pelo menos 226 assentos de um total de 450 no Parlamento.

Durante a corrida presidencial, Zelenski alavancou sua candidatura com um discurso antissistema, anticorrupção e pró-ocidente. Uma de suas promessas, dada como prioridade caso vencesse o pleito, é a de negociar um cessar fogo na região de Donbas, onde separatistas pró-Rússia controlam a região. Eleito em abril, o ex-comediante não tinha representação no Parlamento. Dissolveu a casa em maio e convocou novas eleições.

A insatisfação popular na Ucrânia com o combate à corrupção e o com o crescimento econômico no governo anterior levaram os ucranianos a exigir uma onda de renovação no parlamento. De todas as cadeiras, cerca de 60% darão lugar a pessoas que não têm passado na política.

O partido Golos (Voz) do músico ucraniano Sviatoslav Vakarchuck conseguiu, até o momento, 6,4% dos votos alcançando o mínimo necessário para ter direito aos assentos no Parlamento — a cláusula de barreira é de 5% dos votos. Vakarchuck também não tem experiência em política e não descarta uma aliança com a sigla de Zelenski.

Mais três partidos conseguiram entrar no Parlamento, sendo eles: Solidariedade Europeia, sigla do ex-presidente Petro Poroshenko, conseguiu 8,7% dos votos; Pátria, da ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko, teve 8%; e Plataforma de Oposição, único partido pró-Rússia com representação no Parlamento, obteve 12,8%.

De um total de 450 assentos, 26 antes ocupados pela Crimeia, a península ucraniana anexada pela Rússia em 2014, e nos territórios separatistas, ficarão em suspenso.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)