Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Xangai promete ‘vida normal’ em junho após restrições por surto de Covid

Devido à política de 'Covid zero' da China, cidade está há mais de seis semanas em lockdown total, prejudicando a economia nacional

Por Matheus Deccache Atualizado em 16 Maio 2022, 14h25 - Publicado em 16 Maio 2022, 14h17

O governo de Xangai, na China, anunciou nesta segunda-feira, 16, que deve encerrar as medidas de restrição contra a Covid-19 em 1º de junho, após mais de seis semanas de duras medidas devido a um surto local, prejudicando fortemente a economia do país.

No cronograma mais claro até o momento, o vice-prefeito da cidade, Zong Ming, disse que reabriria Xangai em etapas, com restrições de movimento em grande parte permanecendo em vigor até 21 de maio, antes de uma flexibilização total. 

“De 1º de junho até o final do mês, desde que os riscos das infecções sejam controlados, iremos normalizar a situação para retornar a uma vida normal”, disse.

+ China pode ter 1,5 milhão de mortes se abandonar política de ‘Covid zero’

Segundo ele, a cidade começou a reabrir supermercados e farmácias já nesta segunda e, mais para frente, voos domésticos serão retomados de maneira gradual. No entanto, moradores irão precisar apresentar um teste com resultado negativo para a Covid para utilizar os transportes públicos. 

Apesar do anúncio, uma parcela da população local enxerga a situação com ceticismo devido a repetidas mudanças de prazos para o fim das restrições. As medidas, cada vez mais fora de sintonia com o resto do mundo, também estão causando ondas de choque nas cadeias de suprimentos globais e no comércio internacional.

Continua após a publicidade

Os casos na China começaram a aumentar em março, logo se transformando na pior crise sanitária que o país viu desde o surto inicial em Wuhan, no início de 2020. Ao longo da pandemia, a China manteve uma estratégia de “Covid zero”, aplicando testes em massa, quarentenas e fechamento de fronteiras para conter o vírus. Mas a chegada da variante Ômicron, altamente infecciosa, fez o país mais populoso do mundo retornar à situação de calamidade, com o vírus se espalhando novamente por diferentes cidades e províncias.

O bloqueio total de Xangai causou uma série de problemas econômicos em vários setores e aumentou os temores de que a economia nacional possa encolher no segundo trimestre.

Dados divulgados nesta segunda mostram que a produção industrial e as vendas no varejo da China caíram em abril no ritmo mais rápido em mais de dois anos, abaixo das expectativas. A companhia aérea China Eastern Airlines, com sede na cidade, disse que o número de passageiros caiu 90,7% em abril em relação ao ano anterior. 

+ Os efeitos dos engarrafamentos de navios provocados pelo lockdown na China

De acordo com especialistas, é esperada uma melhora em maio, principalmente pelo fato de que o governo e o banco central devem implementar mais medidas de estímulo para acelerar as coisas. No entanto, a força desse crescimento segue incerta devido à política de “Covid zero” implementada pelo governo chinês. 

A cidade de Xangai registrou menos de 1.000 novos casos do coronavírus em 15 de maio, data do último registro, todos dentro de áreas sob os controles mais rígidos. Nas regiões mais livres, monitoradas para avaliar o progresso na erradicação do surto, nenhum novo caso foi encontrado pelo segundo dia consecutivo. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)