Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Wikipédia desafia ordem russa de apagar dados sobre guerra na Ucrânia

Acusada de 'desinformação' por Moscou, plataforma foi multada em 88 mil dólares por se recusar a remover artigos sobre o conflito

Por Da Redação 13 jun 2022, 11h42

A Wikimedia Foundation, proprietária da Wikipédia, entrou com um recurso contra uma decisão do tribunal da Rússia que exigia a remoção de informações relacionadas à invasão russa à Ucrânia. A ação ocorre como resposta à multa imposta no final de abril pelo governo russo à plataforma.

“Pedimos ao tribunal que reconsidere em favor dos direitos de todos ao acesso ao conhecimento e à liberdade de expressão” disse Stephen LaPorte, conselheiro-geral da Wikimedia Foundation, em um comunicado à imprensa. O diretor da empresa sediada na Califórnia, Estados Unidos, também argumentou que as pessoas têm o direito de conhecer os fatos da guerra.

No final de abril, a Justiça russa decidiu multar a empresa de mídia em 88.000 dólares (cerca de 450.000 reais), afirmando que conteúdos sobre a operação militar na Ucrânia, especialmente artigos sobre evidências de supostos crimes de guerra russos e sobre o “massacre em Bucha“, representavam um risco para a ordem pública no país.

Apesar de documentos oficiais apontarem evidências concretas de que tropas russas cometeram crimes de guerra, e de alguns militares russos já terem sido inclusive condenados pelos delitos por tribunais ucranianos, Moscou segue negando que suas forças tenham cometido qualquer irregularidade.

Segundo a versão do Kremlin, serviços da inteligência dos Estado Unidos e do Reino Unido estariam ajudando a Ucrânia a forjar alegações falsas de supostos crimes de guerra cometidos no país.

+ Rússia acusa Ucrânia de preparar falsas evidências de crimes de guerra

Continua após a publicidade

De acordo com a imprensa russa, o órgão regulador de comunicações de Moscou, Roskomnadzor, pediu a retirada de sete publicações da Wikipédia do ar, após ameaçar bloquear o acesso à Wikipédia na Rússia caso a enciclopédia digital não removesse artigos sobre a invasão à Ucrânia de sua plataforma.

Em entrevista, Jimmy Wales, fundador da Wikipédia, defendeu o uso de informações factuais de qualidade para combater a censura e criticou o que classifica como “regulamentações prematuras e inúteis” da internet.

“É central para nossa missão a ideia de que o acesso à informação é um direito humano fundamental e que compartilhar informações factuais de qualidade é sempre algo muito importante”, disse.

O processo contra o veículo informativo faz parte dos esforços cada vez mais consistentes do governo do presidente russo, Vladimir Putin, para censurar informações sobre o confronto militar e reprimir protestos.

+ Rússia intensifica censura no país com lei contra informações falsas

Desde o início de sua invasão ao país vizinho, a imprensa russa se encontra regida por uma política de censura. Por ordem do Kremlin, os veículos de informação locais estão proibidos de usar expressões como “ataque”, “invasão” e “guerra” para se referir ao conflito com a Ucrânia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)