Clique e assine com até 92% de desconto

Washington reforça segurança em Festival do Orgulho Gay após ataque nos EUA

Por Da Redação 12 jun 2016, 14h05

A polícia de Washington reforçou a segurança no Festival do Orgulho Gay da capital americana, que reúne milhares homossexuais, após o massacre em uma boate gay de Orlando (Flórida), informou a prefeita da cidade, Muriel Bowser. Em comunicado, Bowser afirmou que a chefe da polícia da capital americana, Cathy Lanier, comunicou que foram adotadas “medidas de segurança” adicionais depois do massacre da madrugada passada, que deixou pelo menos 50 mortos e 53 feridos.

O Departamento de Polícia de Washington confirmou em uma breve mensagem em sua conta do Twitter que o festival terá uma “presença extra” de agentes, que a cada ano congrega cerca de 100.000 pessoas no centro da cidade. “Nesta manhã, sentimos uma grande tristeza após conhecer a tragédia em Orlando”, afirmou Bowser, que lembrou que neste sábado a capital realizou o Desfile do Orgulho Gay, no qual participaram milhares de pessoas em um ambiente super agradável.

Leia também

Pulse, um local emblemático da causa gay nos EUA

Atirador ataca boate gay nos EUA e mata 50 pessoas

Vídeos registram sons de tiros durante atendimento a vítimas

A Aliança do Orgulho de Washington, organizadora do encontro, indicou que o evento será realizado, como estava planejado, e haverá um minuto de silêncio às 13h local (14h, em Brasília) em memória das vítimas de Orlando. “Deploramos o ato de terrorismo sem sentido em Orlando (…) e nossos pensamentos estão com as vítimas, suas famílias, amigos e o povo da Flórida Central”, afirmou a aliança, segundo o jornal The Washington Post.

O grupo acrescentou que tem “toda a confiança” nas medidas de segurança impostas para proteger o festival. A polícia de Orlando informou hoje que as vítimas mortais do massacre no clube Pulse chegam a 50 pessoas, aos quais é preciso somar 53 feridos. O massacre, que começou em torno das 2h local (3h, em Brasília), está sendo investigado como um ato de terrorismo e é o pior tiroteio em massa perpetrado na história dos Estados Unidos.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade