Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Washington reforça segurança em Festival do Orgulho Gay após ataque nos EUA

Por Da Redação 12 jun 2016, 14h05

A polícia de Washington reforçou a segurança no Festival do Orgulho Gay da capital americana, que reúne milhares homossexuais, após o massacre em uma boate gay de Orlando (Flórida), informou a prefeita da cidade, Muriel Bowser. Em comunicado, Bowser afirmou que a chefe da polícia da capital americana, Cathy Lanier, comunicou que foram adotadas “medidas de segurança” adicionais depois do massacre da madrugada passada, que deixou pelo menos 50 mortos e 53 feridos.

O Departamento de Polícia de Washington confirmou em uma breve mensagem em sua conta do Twitter que o festival terá uma “presença extra” de agentes, que a cada ano congrega cerca de 100.000 pessoas no centro da cidade. “Nesta manhã, sentimos uma grande tristeza após conhecer a tragédia em Orlando”, afirmou Bowser, que lembrou que neste sábado a capital realizou o Desfile do Orgulho Gay, no qual participaram milhares de pessoas em um ambiente super agradável.

Leia também

Pulse, um local emblemático da causa gay nos EUA

Continua após a publicidade

Atirador ataca boate gay nos EUA e mata 50 pessoas

Vídeos registram sons de tiros durante atendimento a vítimas

A Aliança do Orgulho de Washington, organizadora do encontro, indicou que o evento será realizado, como estava planejado, e haverá um minuto de silêncio às 13h local (14h, em Brasília) em memória das vítimas de Orlando. “Deploramos o ato de terrorismo sem sentido em Orlando (…) e nossos pensamentos estão com as vítimas, suas famílias, amigos e o povo da Flórida Central”, afirmou a aliança, segundo o jornal The Washington Post.

O grupo acrescentou que tem “toda a confiança” nas medidas de segurança impostas para proteger o festival. A polícia de Orlando informou hoje que as vítimas mortais do massacre no clube Pulse chegam a 50 pessoas, aos quais é preciso somar 53 feridos. O massacre, que começou em torno das 2h local (3h, em Brasília), está sendo investigado como um ato de terrorismo e é o pior tiroteio em massa perpetrado na história dos Estados Unidos.

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)