Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Viúva Negra’ e ‘Mandíbula’ revalidam títulos de devoradores de ‘hot dogs’

Nova York, 4 jul (EFE).- Sonya Thomas e Joey Chestnut, conhecidos como ‘Viúva Negra’ e ‘Mandíbula’, respectivamente, defenderam com sucesso seus títulos de devoradores de cachorros-quentes ao ganharem a competição anual realizada em Conney Island nesta quarta-feira, data em que os americanos celebram o Dia da Independência.

Chestnut, um californiano de 28 anos, assegurou seu título de devorador pelo sexto ano consecutivo ao comer 68 cachorros-quentes, seis a mais que o ano passado. Com esta nova vitória, o conhecido ‘Mandíbula’ faturou uma quantia de US$ 10 mil.

Esta foi a 97º edição do concurso que é realizado a cada ano em Coney Island, coincidindo com a celebração do Dia da Independência. O evento, que teve patrocínio do Nathan’s Famous Restaurant, contou com a participação de 15 ‘devoradores’ procedentes dos Estados Unidos e Canadá.

Comprovando a relevância do concurso, o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, que é conhecido por suas campanhas a favor da saúde, também marcou presença na área de competição deste inusitado torneio.

Em 2009, além do prêmio de US$ 10 mil e do ‘Cinturão Internacional de Mostarda Amarela’, o ‘Mandíbula’ estabeleceu o recorde mundial engolindo 68 cachorros-quentes em dez minutos, um feito que ele voltou a repetir nessa edição.

Já Sonya Thomas, uma sul-coreana de 45 anos e apenas 47 quilos, levou os US$ 10 mil da premiação ao devorar 45 cachorros-quentes e cumpriu sua palavra comer um hot-dog para cada ano de sua idade.

‘A Viúva Negra’, que veio de Alexandria (Virgínia) até Conney Island, superou assim seu recorde estabelecido em 2010, quando comeu um total de 41 cachorros-quentes em dez minutos.

Em segundo lugar na categoria feminina aparece Juliet Lee, que garantiu o prêmio de US$ 5 mil por comer 33 ‘hot dogs’, enquanto Tim Janus levou a mesma quantia na categoria masculina ao devorar 52.

Antes da competição, a ganhadora disse à agência Efe que competia neste concurso porque se sentia americana e ‘esta é uma tradição do país. Segundo Sonya, o 4 de julho é um dia para ficar contente, relaxar e desfrutar’. EFE