Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Vítima de avião abatido na Ucrânia usava máscara de oxigênio

Revelação foi feita por um ministro holandês e indica que passageiros do voo MH17 podem ter notado que o avião da Malaysia Airlines estava caindo

Por Da Redação 9 out 2014, 12h30

O corpo de um dos passageiros do voo MH17 que foi abatido na Ucrânia em julho estava com uma máscara de oxigênio, afirmou o ministro das Relações Exteriores holandês, Frans Timmermans, provocando comoção entre os familiares das vítimas. O ministro assegurou, em um programa de TV nesta quinta-feira, que o passageiro teve tempo de colocar a máscara e que, por isso, as centenas de vítimas do voo talvez tenham se dado conta de que o avião estava caindo.

Em uma carta dirigida aos familiares das vítimas, horrorizadas pelas declarações do ministro à imprensa, a promotoria holandesa confirmou que uma máscara de oxigênio estava mesmo pendurada no pescoço de um passageiro australiano. A máscara foi examinada pelos investigadores, em busca de possíveis restos de DNA, mas os exames não deram resultados.

Leia também

ONU: Mais de 300 pessoas morreram após trégua na Ucrânia

Supervisão de cessar-fogo na Ucrânia pode incluir tropas da França e Alemanha

​Aeroporto de Donetsk é palco de novas batalhas

“Não se sabe como e por que a máscara estava no pescoço do passageiro. Nenhum outro passageiro usava máscara”, afirmou uma fonte ligada à investigação. A informação não foi publicada antes porque a investigação sobre a máscara e seu significado continua sendo realizada e, segundo a promotoria, ainda não se pode chegar a qualquer conclusão.

Timmermans, futuro comissário europeu, lamentou em um comunicado que as famílias tenham se inteirado desse detalhe através dos noticiários. O voo MH17 da Malaysia Airlines caiu em 17 de julho no leste da Ucrânia, uma região onde os combates entre as forças leais ao governo ucraniano e os separatistas pró-russos estavam em andamento. Segundo a Otan e os Estados Unidos, o míssil que derrubou o avião partiu do território controlado pelos rebeldes separatistas.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade