Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Violência de palestinos em Israel é alimentada pelas redes sociais

Jovens assistem a vídeos na internet para imitar ataques anteriores. Falta de uma organização por trás torna mais difícil saber onde será o próximo atentado

Por Paula Pauli
16 out 2015, 16h38

A internet tem tido um papel importante nos ataques de palestinos contra israelenses desde o início de outubro.

Os palestinos que têm cometido os atentados são jovens com pouca ou nenhum memória das duas intifadas e com acesso à internet. Nas redes sociais, eles procuram vídeos que mostram as agressões anteriores contra israelenses e pensam em formas de imitar o gesto. Facções palestinas também têm produzido vídeos com dramatizações, ensinando as pessoas a atacarem judeus com facas. “Desde que nasceram, esses jovens são induzidos a odiar e desumanizar os israelenses, com livros de escola que até excluem Israel dos mapas”, diz Guy Ziv, cientista político da American University, em Washington.

A internet é um dos principais diferencias entre os crimes de agora e as intifadas anteriores. “O movimento de agora é muito mais espontâneo. São jovens conectados por redes sociais que são induzidos, não por um grupo específico, mas por uma atmosfera de frustração e vingança que se autoalimenta”, diz Michael Herzog, ex-general israelense ativo nas negociações de paz entre Israel e Palestina.

Como os agressores são civis quase sempre sem filiação a organizações terroristas, eles não dispõem de armamento pesado. Por isso, recorrem aos mais inusitados tipos de arma branca, como facas de cozinha, machados, chaves de fenda e até um descascador de batatas.

A falta de um grupo comandando os atos torna mais difícil para Israel prever onde ocorrerá o próximo ataque. “Do ponto de vista do Hamas, ações isoladas como as que acontecem hoje trazem mais vantagens, porque não podem ser diretamente relacionadas ao grupo e é quase impossível que as autoridades israelenses tomem medidas preventivas”, diz Rex Brynen, cientista político da Universidade de McGill, no Canadá.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.